Era inverno. Nessa época, baladas eram raras na cidade. Por esse motivo, a principal diversão dos jovens era juntarem-se para assistir a filmes.

Em um sábado, Alice convidou os seus amigos: Ana, Marcos e Júnior para que se reunissem para dar uma saída. Ana tinha 19 anos e tinha acabado de pegar sua carteira de motorista e, animada com sua conquista, decidiu que ia levar a todos para o passeio. Júnior então, propôs que eles fossem a uma Cidade bem próxima dali visitar um museu antigo que eles tanto queriam conhecer, mas nunca conseguiam tempo para ir. Ana gostou da ideia, mas Alice disse que preferia ir para algum lugar ali por perto, só para dar uma volta mesmo. Conversa vai, conversa vem, decidiram ir ao museu e Ana toda empolgada disse:

– Vamos nos arrumar e nos encontramos hoje às 23h.

Alice, ainda com muito medo de pegar a estrada com a amiga que havia acabado de tirar sua habilitação disse:

– Não acho que seja uma boa ideia sairmos daqui tão tarde. É melhor sairmos daqui amanhã de manhã, pois viajar de madrugada pode ser muito perigoso.

Marcos interviu:

– Deixa de ser tão apavorada Alice! Se nós sairmos daqui amanhã de manhã, chegaremos lá muito tarde e não vamos curtir nada.

Então Júnior completou:

– O Marcos tem razão. Se chegarmos tarde não iremos curtir nada e, além do mais, quero conhecer muito sobre aquela cidade.

De tanto discutirem, todos convenceram Alice e iriam mesmo sair na hora marcada.

Na hora marcada pelo grupo, todos se encontraram bastante ansiosos no ponto de encontro e, assim, puseram-se na estrada, rumo à diversão.

A viagem estava tranquila. Ana não dirigia rápido, até porque por ser sua primeira vez, queria tomar o máximo de cuidado possível com todos pela rodovia. Eles conversavam, brincavam, riam, quando, de repente, o carro desligou bruscamente deixando todos os jovens assustados.

– Estão todos bem? – perguntou Ana.

– Sim estamos – Marcos respondeu.

Alice, apavorada como sempre:

– Meu Deus! O que aconteceu?! Porque o carro não liga?! O que aconteceu gente?!

Era 1h da manhã e o grupo não sabia o que fazer com o carro misteriosamente quebrado naquela estrada deserta. O vento frio balançava as árvores e o cricrilar dos grilos no meio do mato, davam um ar fantasmagórico para aquela situação. Então, todos resolveram sair do veículo e procurar juntos um posto de gasolina que ficasse por ali por perto.

Por conseguinte, ao encontrarem o posto, perceberam que estava quase deserto, quase não tinha ninguém, não fosse por algumas pessoas que aparentavam estar assustadas, olhando-os da cabeça aos pés. Dado momento, Ana avistou um senhor sentado em uma cadeirinha de balanço.

– O senhor sabe onde eu encontro um mecânico por aqui a essa hora? – perguntou Ana.

O senhor, com a cara mais assustada do mundo, olhou bem nos olhos da menina e disse:

– Vocês não deveriam estar aqui! SAIAM enquanto há tempo!

Dessa vez, os jovens que ficaram assustados com a atitude explosiva daquele simples senhor em sua cadeirinha.

– Vamos arrumar algum lugar para ficar até amanhã de manhã. Então, mais calmos, ligaremos para alguém e arrumaremos algum mecânico – disse Júnior tentando manter a calma.

Assim, os jovens resolveram descansar em uma pousada que havia ali perto.

Ao chegarem na pousada, se depararam com uma senhorinha bem educada na recepção, que os recebeu com um largo sorriso no rosto e que foi logo dizendo:

– Boa noite! Em quê posso lhes ajudar?

– Precisamos de um quarto para passar a noite, meu carro quebrou e não temos ficar – disse Ana à amável senhorinha.

Alguns minutos depois, já hospedados no quarto, eles começaram a comentar entre si sobre o que aquele velho do posto lhes disse momentos antes. Não demorou muito tempo para que eles começassem a notar algo estranho naquela pousada. Barulhos vinham de dentro do banheiro. Barulhos como da torneira da pia aberta, descarga sendo acionada, chuveiro, encanamento. Depois os barulhos vieram do corredor e do forro. Era atormentador.

– O que será que está acontecendo aqui?! Estou com medo! – disse Alice apavorada.

Todos estavam abraçados achando aquilo tudo muito estranho. Foi quando a porta do banheiro se abriu e eles viram uma mulher com roupas rasgadas, com a face deformada. No lugar dos olhos, apenas dois buracos fundos e negros que sangravam no seu rosto cor branco-pálido. Foi aí que eles começaram a gritar feito loucos. Ana então, pegou o telefone, que dava direto na recepção, e começou a ligar. Chamava, chamava, mas ninguém atendia. Nada da senhorinha simpática atender. Eles continuaram abraçados durante um tempo, até que aquela coisa horrenda desapareceu e eles caíram no sono, do jeito que estavam, abraçados.

Amanheceu. Alice muito brava com o fato de ninguém ter atendido o telefone quando eles mais precisaram, desceu até a recepção com os seus amigos e já chegou reclamando com a pobre senhora:

– Isso que fizeram ontem conosco foi uma brincadeira de muito mal gosto! Porque nos assustaram daquele jeito? Podíamos ter morrido do coração. Então, a senhorinha da recepção, muito calma, perguntou:

Compre Já o Seu!

História de Terror: A Mulher que Assombra a Estrada 1
Caixa de Pássaros (Bird Box) – Josh Malerman

– Calma menina. O que aconteceu?

Ana logo entrou na conversa e disse:

– Ah! Não se faça de desentendida! Estamos falando daquela mulher pavorosa que estava no nosso quarto.

Então a senhorinha pôs-se a rir. Todos acharam estranho aquela senhora tão calma diante de uma noite como aquela, mas não demorou muito e ela começou a falar:

– Ela de novo – continuou rindo.

– Como assim de novo? – perguntaram os jovens em coro.

– Há muito tempo ela vem assombrando as pessoas por essa estrada. Ela sofreu um acidente de carro há alguns quilômetros daqui. Desde esse dia ela assusta a todos que passam suas noites aqui. Peço que me perdoem. Ela já estava há um bom tempo sem fazer isso, então eu não achei problema algum em hospedar vocês em minha pousada, mas acabei de perceber que ela não vai parar nunca. Enquanto a alma dela não ficar em paz, vai continuar assustando as pessoas que passam por essa rodovia.

Todos apavorados com tudo aquilo que haviam escutado da velhinha, decidiram sair dali imediatamente.

Por conseguinte, voltaram para o carro no meio da rodovia e, milagre, ele funcionou como se nada tivesse acontecido.

Assim que estavam de saída, perceberam que, atrás do carro, na beira da estrada, havia uma cruz com a fotografia de uma mulher e um cartaz que dizia:

“Descanse em Paz Emy”.

Sera que Emy era a mulher pavorosa que assustou os amigos hospedados naquela pousada? Será que, quando o velho falou para eles sumirem dali, ele falava do espírito dessa mulher que ainda fica vagando por lá?

Talvez não saibamos nunca. A não ser que você esteja disposto a dar uma passadinha por lá.

História de Terror escrita por JAQUELINEFELIPE22, corrigida e adaptada por Escrita Sombria

Licença de Uso
O conteúdo do site está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional. Você pode copiar o conteúdo desde que cite o autor e o link da matéria. Com exceção a seção de Histórias de Terror, que possui direitos autorais reservados. Importante: Os textos aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e podem não expressar a opinião do Mundo Sombrio.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *