O Catálogo [História de Terror]

Na História de Terror ‘O Catálogo’, uma encomenda inusitada, fará você pensar seriamente em vender Avon.


Laura havia acabado de montar outra aquisição para seu catálogo de serviços. A moça adorava aquela vida e como ela estava a levando. Recebia cerca de 10 ligações por mês e, a maioria das encomendas, ela já tinha em estoque e as que ela não tinha ela conseguia fácil graças a seu outro emprego.

A moça tinha também outras obrigações, bem como: cuidar de sua meia irmã Gabriela e manter as contas da casa. Talvez ela devesse aumentar os preços do seu produto. Enquanto a jovem estava dispersa em seus devaneios, seu telefone tocou por três vezes, mas até que a jovem chegasse perto para atender, a chamada caiu e, como não tinha identificador de chamadas, esperou que retornassem a ligação. Porém isso não aconteceu. Talvez por imprudência perdera outra encomenda, queixou-se mentalmente a garota.

Gabriela já estava resmungando por não ter jantado e Laura teve de abandonar o telefone para esquentar uma lasanha industrializada. Após o jantar, as duas foram dormir. Lá pela madrugada, o telefone tocou novamente, Laura acordou desesperada e correu para atender. Conseguiu chegar a tempo e perguntou quem era, mas não ouviu absolutamente nada, a não ser ruídos baixos. Achando se tratar de um trote, a jovem desligou a chamada e, quando estava voltando para cama, ouviu o telefone tocar novamente. Ela atendeu e dessa vez obteve resposta.

– Falo com Arual? – Perguntou uma voz rouca e fraca do outro lado.

Arual era o Pseudônimo de Laura. Ela era conhecida assim por todos a quem prestava serviços. Escolheu esse nome porque se tratava do nome dela ao inverso e, assim como seu pseudônimo, o caráter que a moça apresentava enquanto fazia os serviços era completamente o contrário de sua real personalidade.

– Sim sou eu.

– Quero encomendar um de seus pulmões do catálogo, os meus estão péssimos e a fila do transplante no hospital está muito grande. – O homem resmungava aflito do outro lado do telefone. Às vezes parava para recobrar o ar porém logo depois retomava. – Para me entregar em dois dias. Pagarei o dobro e se o pulmão for de um jovem caucasiano e ruivo, pagarei ainda mais. Amanhã entrarei em contato para passar o endereço de entrega.

Laura desligou o telefone e anotou o pedido em sua agenda. Aquele pedido cheio de peculiaridades renderia à ela 20 mil reais, fora que se atendesse as demais exigências o valor seria elevado. Ela só teria de fazer tudo bem rápido e escolher sua vítima.

No dia seguinte, Laura foi para o hospício onde trabalhava de dia e começou a arquitetar o seu próximo crime. Na ala onde colocavam os pacientes quase em estado vegetativo, tinha um jovem caucasiano e ruivo, assim como as preferências de seu cliente. Para sorte de Laura e azar do paciente, os órgãos dele estavam perfeitos. Além da encomenda do senhor, ela teria o restante dos membros para guardar no estoque. A vítima escolhida era o jovem Lucas Mendes, que enlouqueceu e perdeu completamente a sanidade após ter sido violentado e espancado pelo próprio pai.

Laura entrou na sala onde Lucas estava e injetou em seu soro uma substância que paralisava o sistema nervoso e respiratório do paciente por 15 minutos. Assim que fez efeito, ela notificou a morte do rapaz e se encarregou de levar o corpo para despachar, já que os pacientes abandonados ali não tinham família alguma. Laura chegou em sua casa e colocou Lucas deitado em uma cama no porão, pois era ali que ela fazia as suas obrigações.

Pegou então sua caixa de utensílios e retirou um bisturi. A injeção já havia perdido efeito, mas mesmo assim ela fez uma incisão bem profunda no pescoço do rapaz, o que ocasionou sua morte. Após isso, iniciou o rito cirúrgico: retirou os pulmões e outros membros do rapaz, guardou tudo em seus devidos lugares e o pulmão colocou em uma caixa separada, assim como o escalpo, para provar que era um jovem branco e ruivo.

Laura esperou pela ligação e, quando ela ocorreu, a moça pegou a encomenda e foi ao encontro de seu cliente com uma peruca e uma arma. A primeira pra se disfarçar, a segunda para se proteger. Fez a entrega e recebeu o dinheiro. Ela soube também que o fato de seu cliente ter predileção por pessoas brancas e ruivas era porque seu filho era assim e ele sentia uma atração assustadora por ele, mas como seu filho estava internado, ele se contentaria em ter os órgãos de alguém como ele dentro de si. Laura sentiu repulsa e ligou sua última vítima a seu cliente: os dois eram pai e filho. Ela omitiu esse fato e se despediu, afinal ela tinha de acrescentar órgãos novos ao seu catálogo.

o catálogo história de terror
História de Terror: O Catálogo
Compartilhe nas Redes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Login

Faça o Login para ter acesso à muitas novidades no nosso site!

[ihc-login-form]

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência no nosso site. Se estiver de acordo clique em ACEITAR, mas se estiver em dúvida, leia nossa Política de Privacidade.​

Pesquisa