Entre as Paredes [História de Terror]

entre as paredes história de terror mundo sombrio

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr

Saímos de nossa última casa há uma semana e estou feliz por termos mudado. Definitivamente não era seguro lá, especialmente para um homem como eu, que tem uma família para cuidar. Eu acho que se eu não tivesse decidido dar o fora dali, eu teria falhado com minha família – e provavelmente também os teria perdido, eventualmente.

Na verdade, não havia nada de errado com a casa – supus que fosse apenas uma casa de família isolada em um bairro suburbano. Acho que a primeira coisa que me impressionou foi o fato de todas as casas naquela rua terem sido construídas em algum momento da década de 1980. O que é estranho nisso é o fato de que ninguém havia morado lá recentemente – em quase três décadas e meia, ninguém NUNCA morou naquela casa.

Mas o que poderia estar errado com ela? Não havia nenhuma preocupação minha, além de ‘a eletricidade ainda funciona’ ou ‘a caldeira está precisando de ajustes’. Além disso, tivemos que verificar se havia pragas ou fungos. Não, nada lá – a casa estava bem construída e não tinha deixado nada entrar – pelo menos era o que parecia.

Assim que nos acomodamos, nos sentimos realizados. Eu acho que (embora eu ache difícil acreditar agora), queríamos que a casa fosse nosso lar por um bom tempo. Estranhamente, parecia tudo tão perfeito e certo quando na verdade havia algo muito, profundamente, inerentemente errado no lugar.

A tensão começou em uma típica manhã cinzenta de Londres. Minha esposa tinha ido deixar nosso filho de quatro anos na escola, o que geralmente levava cerca de meia hora. Assim que ela fechou a porta atrás e eu fiquei sozinho, fui invadido por um sentimento que não havia sentido antes. Você poderia dizer que era como se estivesse sendo vigiado, mas acho que era outra coisa – um sentimento de tensão e desconforto decorrente, bem – de nada. Nada aconteceu – sem rangidos, batidas ou sussurros. Eu estava com o aquecimento ligado e estava ouvindo música clássica no rádio. A sala parecia ser um ambiente confortável e pacífico – ideal para me sentar e continuar meu trabalho.

Mas não foi como eu bem pensei. Eu me senti meio agitado. Eu não conseguia me acalmar e me concentrar. Eu me vi vagando pela casa, andando devagar por todos os cômodos procurando o responsável por aquele sentimento horrível. Havia algumas caixas de coisas que ainda precisavam ser desembaladas e alguns quartos que ainda estavam vazios. Uma pequena parte do meu subconsciente esperava que houvesse mesmo um intruso dentro da casa. Eu estava na sala mais distante do meu escritório e conseguia ouvir o som de Bach vindo da suíte ou o que diabos estivesse tocando lá em cima. Fiquei na janela esperando minha esposa aparecer no carro dela.

Era incrível a rapidez com que o humor mudou assim que minha esposa entrou na casa. Assim que eu passei a não estar mais sozinho, a sensação desconfortável se dissipou. Eu pude sentir o calor do aquecimento, meu chá com uma colher de sopa de mel ficou doce e até as nuvens de chuva lá fora pareceram mais amigáveis.

Na manhã seguinte, eu dirigi até a escola, como um pequeno… experimento. Eu já estava voltando quando recebi uma ligação da minha esposa. Não acho que ela quisesse algo em particular – além de companhia. Seu tom era muito casual – quase soou forçado, e ela só estava perguntando quando eu voltaria, mas de maneira prolongada, como se quisesse manter a ligação o maior tempo possível. Eu tinha uma ideia do por que ela estava ligando – ela também estava sentindo o que eu tinha sentido. Ela provavelmente sentiu mais, porque as mulheres são mais sintonizadas com essas sutilezas em um ambiente.

Ela não mencionou nada quando voltei, mas através do seu sorriso amarelo e sem graça, eu pude ver que ela estava um pouco assustada. Para ser sincero, não era nada – apenas um sentimento que as pessoas às vezes têm. Uma casa que não é habitada há décadas pode levar tempo para acolher seus novos proprietários, eu acho.

No dia seguinte, enquanto minha esposa saía para pegar as compras, fiz uma pequena descoberta. A sensação estranha tornou-se ainda mais intensa em certas partes da casa. No banheiro do andar de cima, era particularmente forte, e havia um corredor que ligava a sala de jantar e a sala de estar, onde também era bastante perceptível. Interessante era que, esses lugares eram os únicos com espelhos nas paredes. Com o tempo, passei a odiar aqueles cômodos da casa – e também aqueles espelhos.

Nada de novo aconteceu por cerca de uma semana. Eu apenas evitei ficar em casa sozinho e notei que minha esposa fazia o mesmo, embora nunca discutíssemos o fato de nos sentirmos desconfortáveis ​​em estar sozinhos. Era uma casa nova – não queríamos estragar nossos primeiros dias lá com negatividade. Mas uma certa negatividade pairava sobre o local, no entanto. Não era óbvio, não era intenso – mas estava sempre lá. Parecia um pouco hostil, como se estivéssemos compartilhando a casa com … algo – algo que não gostava que estivéssemos por perto.

Li on-line (enquanto minha esposa não estava olhando) que alguns lugares têm o que chamamos de ‘energia negativa’. Aparentemente, este é o resultado de muitas coisas, como má iluminação, um mau Feng-Shui e coisas ruins que aconteceram no local. Ironicamente, instalamos lâmpadas de alta potência novinhas em folha, pois minha esposa tinha um livro inteiro sobre como manter o bom Feng-Shui e, no que diz respeito às coisas ruins que aconteciam no passado, ninguém jamais havia morado na casa antes. Quero dizer, como algo ruim poderia ter acontecido lá se ninguém havia morado lá antes?

Pelo menos o nosso filho não parecia afetado. Ele brincava tão feliz como sempre com seus brinquedos. Uma sobrecarga de trabalho preocupava a mim ​​e sua mãe ultimamente, então não passamos tanto tempo com ele como de costume. Ele não parecia se importar. Ele até inventou um amigo imaginário para brincar.

Certa noite, no entanto, quando cheguei em casa tarde do trabalho, encontrei meu filho na cama e minha esposa me esperando na sala de estar. Assim que entrei pela porta da frente, fui recebido com uma presença pesada. Isso me deu uma sensação ruim imediatamente – eu soube naquele momento que algo não estava certo, mas tudo parecia bem. Então jantamos na frente da televisão, lavamos a louça e depois nos aprontamos para dormir.

Minha esposa e eu fomos colocar o nosso filho pra dormir, mas acabamos cochilando – exceto que, de repente, fiquei perturbado pelo sono. Não era nada antinatural – de fato, foi o próprio chamado da natureza que me despertou. Eu precisava usar o banheiro. Levantei-me e coloquei os meus chinelos.

Estava absolutamente frio, pois era uma noite de inverno. Mas quando entrei no banheiro, fiquei chocado com o frio. Estava bastante frio lá dentro. Eu me olhei no espelho por um tempo, depois sentei no vaso sanitário para fazer minhas necessidades.

Aquele espelho estava me dando um mau pressentimento. Fiquei imaginando que podia ver algo se movendo do outro lado do espelho. Aconteceu pelo menos umas três vezes, depois me levantei e lavei as mãos, e apenas olhei no espelho por um tempo – só para… ter certeza. Eventualmente aquilo me deixou desconfortável, então eu corri de volta para a cama e escondi meu rosto embaixo do edredom.

Acho que vi algo se movendo no espelho novamente na noite seguinte e na outra. Acho que até vi um rosto no espelho do corredor enquanto passava por uma fração de segundo. Claro, eu sabia que era apenas minha imaginação. Definitivamente apenas um efeito colateral de toda a energia negativa sentida no local. Na verdade, aquilo estava ficando mais irritante do que assustador, então decidi ligar para um desses padres – aqueles tipos espirituais que sabem como iluminar lugares com energia negativa neles.

Ela apareceu enquanto nosso filho estava na escola, uma velha japonesa frágil que devia ter uns oitenta anos pelo menos. Seu filho que a tinha deixado porque ela era muito fraca e incapaz de andar muito. De qualquer forma, ela sorriu fracamente e nos disse em inglês falado que apenas daria uma volta pela casa para ‘se acostumar’. Eu e minha esposa sentamos em silêncio na sala de estar – pessoalmente, não acho que ela estivesse muito feliz com o fato de a casa ter sido checada pelo que ela chamava de ‘exorcista’. Eu mostrei a ela as páginas da web sobre limpeza de energia negativa e ela concordou com um suspiro – afinal, era bom para o Feng-Shui ter sua casa limpa.

A espiritualista desceu as escadas depois de uns dez minutos. Ela fez o lugar parecer muito seguro e confortável. Eu quase que pedi para que ela ficasse conosco, para termos certeza de que não tínhamos mais nenhuma energia negativa. Mas algo nos fez pensar se realmente eram energias negativas que faziam nossa casa ser do jeito que era.

De qualquer forma, ela entrou na sala e nos disse que havia queimado incenso em alguns cômodos e que iria repassar neles apenas para eliminar qualquer negatividade remanescente. Mas então, de repente, ela ficou dura. Seu sorriso trêmulo se tornou uma carranca estragada e seus olhos lacrimejantes arregalaram. Achamos que ela estava tendo um derrame e procuramos o telefone para chamar uma ambulância. Acontece que ela estava bem, ela nos disse para não tocar em nada ou nos mexer. Ouvimos e assistimos, estupefatos, enquanto ela corria para a parede com uma velocidade impressionante e pressionava a orelha contra ela. Sussurrou algumas palavras que não pudemos ouvir, e parecia estar recebendo uma resposta quando sua expressão mudou e se contorceu. O que ela ouviu não poderia ter sido bom, porque ela deu um grito agudo e se afastou da parede. A sala escureceu visivelmente, como quando uma nuvem cobre o sol.

“Você não mora nesta casa!” A velha agarrou minha esposa pelos ombros e a sacudiu com firmeza enquanto dizia isso.

“Por que não?”, Perguntei, pois minha esposa estava surpresa demais para responder.

“Homem nas paredes!” Ela gritou: “Tem homem vivendo nas paredes! Homem mal! Homem nas paredes!

A velha correu pelo corredor e, mesmo sem calçar os sapatos, saiu da casa e pediu que saíssemos com ela. Ela ligou para o filho para buscá-la de um pequeno telefone e se recusou a voltar para dentro, mesmo que precisasse sentar por causa de sua fragilidade. Eu trouxe uma cadeira para ela e também seus sapatos. Esperamos com ela lá fora, e posso jurar que, quando entrei para pegar a cadeira, eu não era a única pessoa naquela casa. Eu amaldiçoei a velha por me deixar tão nervoso – eu estava ouvindo sussurros por toda a casa agora.
O filho dela a pegou e quando a viu naquele estado, deu a mim e à minha esposa um olhar hostil antes de ir embora.

Deu tudo errado. Teríamos ficado bravos um com o outro se não fosse pelo que a velha dissera. ‘Homem nas paredes’. Foi arrepiante ouvir isso, e o olhar de terror no rosto da velha nos convenceu de que ela estava falando sério. Mas, sendo cosmopolitas modernos, acabamos concordando, depois de alguma conversa, que ela estava fazendo isso para nos assustar ou que era apenas uma velha e maluca. Não queríamos acreditar nas besteiras dela.

Mas a frase ficou latejando na minha mente, ‘homem nas paredes’. Eu até admito que coloquei meu ouvido na parede para ver se eu ouviria alguma coisa. Nada. Estávamos mais inquietos agora do que antes da chegada da velha. A tensão aumentou o dia todo até a hora de dormir, e a casa parecia estranhamente escura. Quando eu estava deitado na cama, aliviado pela chegada do fim do dia, um grito da minha esposa me tirou da cama. Ela correu para o quarto com um olhar de horror absoluto no rosto.

“Homem no espelho!” Ela gritou: “Homem – homem no espelho!”

“Onde?!”

“No banheiro! Eu vi, estou te dizendo!

“Eu acredito em você! Eu acredito em você!”

Eu entrei no banheiro e olhei no espelho. Era apenas um reflexo normal. Não havia nada lá. Fiquei lá por um tempo. Então eu comecei a chorar.

“O que há de errado com este lugar!?” Eu gritei: “Homem na parede? Diga-me, há um homem na parede?”

“Não, não, não existe.” Minha esposa me confortou: “Era minha imaginação, eu aposto. É apenas aquela velha maldita entrando aqui e nos contando tudo isso sobre os homens nas paredes. Não é nada. Nada mesmo.”

“Então o que diabos eu tenho visto? Neste lugar parece tudo errado. Tudo errado.”

“Não é nada. Não se preocupe. Não há nada aqui – não pode haver. Vamos dormir um pouco. É disso que você precisa: durma.”

Eu estava cansado demais para continuar com aquilo. Eu me forcei a acreditar que não havia nada acontecendo – mas eu não me convenci. Fomos para a cama e eu estava prestes a apagar a luz quando minha esposa me disse algo que me fez estremecer.

“Você sabe, Daniel (nosso filho), tem falado coisas estranhas ultimamente”, disse ela.

“Como o quê?”

“Bem, pode ser apenas coincidência, mas o que aquela velha disse sobre um homem nas paredes – parece se encaixar em algo que Daniel tem falado”.

“Sério?”

“Você sabe alguma coisa sobre o amigo imaginário dele?”

Eu ri: “Bem, eu sei que Daniel passa muito tempo com ele. Como que ele chama o amigo?

“Wallman.”

“Oh sim – oh …” Eu percebi naquele momento a conexão assustadora. Wallman.

“Daniel tem falado coisas sobre o amigo. Ele me disse outro dia que ele tem um rosto redondo com olhos pretos, um grande sorriso e é muito magro para poder se encaixar na parede. Eu achei fofo na época, mas agora – eu não sei. ”

Tive o maior calafrio que tive em muito tempo.

“Bem, tem mais. Estávamos no parque, só eu e ele. Ninguém mais estava lá. Perguntei se ele queria convidar Wallman para um piquenique. Ele disse que não podia. Ele me disse que Wallman está apenas em nossa casa e nunca sai. Ele me fez rir assim que me contou, mas então ele me olhou sério e preocupado e disse. ‘Não ria, mamãe. Wallman não gosta de você e do papai. Ele te odeia. Ele diz que só gosta de mim.'”

Estremeci e respirei fundo. O ar de repente ficou mais frio e mais… hostil.

“Sabe”, falei para minha esposa depois de um período de silêncio, “acho mesmo que devemos nos mudar. Não sei se é apenas um mau pressentimento que tenho sobre esse lugar, ou se talvez aquela velha japonesa estivesse certa. Esse assunto está me assustando muito. Acho que não consigo dormir mais. Não me sinto seguro.

No entanto, nós dois conseguimos dormir depois de um pouco mais de conversa sobre pra onde poderíamos nos mudar.

Eu tinha sonhos – eles eram na maioria simples sonhos aleatórios, mas uma coisa se destacava neles. Sonhei que chegava em casa e a encontrava vazia. Liguei as luzes para ver se havia alguém em casa e procurei mais. Percebi com muita que havia alguém parado na sala de estar. Era a figura de um homem, muito magra e quase da altura de uma criança. Ele estava olhando para mim de longe, eu diria, mas a luz não se acendia naquela sala, então eu não conseguia ver direito. Eu acho que ele estava nu. No meu sonho, chamei ‘Daniel?’, mas tive certeza de que esse não era meu filho. Eu estava com medo dessa figura na sala de estar.

O sonho terminou aí e eu acordei. Eu culpei todos os eventos estranhos – eles estavam afetando meu sono.

Era um sábado na manhã seguinte, então tivemos um pouco de folga.

“Estou pegando a chaleira. Quantas colheres de açúcar você gostaria?” Perguntei à minha esposa antes de descer para a cozinha para fazer um chá. Mas enquanto esperava a chaleira ferver, uma voz chamou minha atenção. Era Daniel, ele estava falando alto. Eu o encontrei olhando para o espelho no corredor do andar de baixo, em uma discussão acalorada com … alguém.

“Não! Se você não pedir desculpas, não serei mais seu amigo! – ele chorou.

“Olá? Dan? Você está bem, filho?” Eu perguntei para ele, mas ele me ignorou completamente.

“Não! Não! Não!” Ele gritou para quem quer que estivesse falando e eu vi lágrimas em suas bochechas, “eu não quero! Você não é mais legal!”

“Vá embora! Vá embora!” Ele começou a gritar: “ Eu não quero ir com você! ”

Corri e levantei-o, carregando-o para longe daquele espelho. Sua mãe desceu, despertada pelos gritos.

“O que há de errado, querido?” – ela perguntou.

“Wallman, quer que eu viva com ele. Na parede. Ele quer me levar pra parede, mas eu disse a ele que não quero.”

“Oh Deus”, eu murmurei, entregando-o à minha esposa com minha voz tremendo. “Eu não aguento mais essa besteira. Wallman! Onde diabos você está? Saia de onde estiver, seu merda!”

Eu nunca tinha falado na frente do meu filho assim antes. Mas ele não parecia perturbado – ele parecia feliz por eu estar com raiva de seu amigo imaginário. Minha esposa o levou para o andar de cima enquanto eu continuava falando.

“Certo.” Eu disse quando minha esposa voltou para o andar de baixo. “Temos que nos livrar desses malditos espelhos. Eles estão me assustando muito.”

“Está certo. Está bem.”

“Não, não está bem. Não pode ficar bem. É como se fossem portais ou algo assim. Como se houvesse um mal vindo direto deles ou alguma merda louca.”

“Está bem, está bem. Precisamos manter a calma.” Ela me assegurou: “vamos tomar o café da manhã, e veremos como as coisas vão daqui por diante.”

Tomamos o café da manhã em silêncio e, depois de um tempo, tudo pareceu ficar bem. E então aconteceu algo que foi incrível – nada. Nada mesmo. Não havia mais um estranho sentimento de ansiedade. Parecia uma casa normal.

Mais estranho ainda, o dia seguinte também estava bom e nada de ruim aconteceu da noite para o dia. Mantivemos os espelhos (eu não estava falando sério sobre jogá-los fora, eu estava estressado). Então, uma semana inteira se passou e já era domingo novamente, sem que nada de estranho tivesse acontecido. Nossa casa estava finalmente começando a parecer um lar. Como tínhamos menos trabalho, passamos mais tempo com Daniel e ele pareceu esquecer seu amigo imaginário, o que na verdade foi um alívio para nós. Aquele amigo imaginário parecia outra coisa. Parecia … estar vindo da imaginação de uma criança de quatro anos.

Nós pensamos que tudo ficaria bem. Mas então algo aconteceu. O mofo amarelo começou a crescer em manchas circulares pela casa. Eram do tamanho de bolas de futebol e exalavam um cheiro podre. Decidimos deixar por um tempo, mas os pontos de mofo apareceram repentinamente em mais lugares, e eram muito feios e fedido. Chamamos um homem para investigar e resolver o problema do mofo e, enquanto ele trabalhava, nós três fomos visitar meus sogros.

Recebemos uma ligação do homem que lida com o mofo às oito horas da noite. Ele parecia perturbado e nos disse para voltarmos para casa rapidamente. Ficamos muito agitados durante toda a viagem de carro e, quando vimos policiais em pé ao redor de nossa casa, minha esposa ficou em estado de choque. Um policial alto e gordo nos parou quando seguimos em direção à porta da frente.

“Pare aí mesmo, senhor”, disse ele, “duvido muito que você e especialmente sua esposa desejem ver o que foi encontrado em sua casa. Você não é suspeito, não tenha medo. Mas eu lhe digo, cara, é horrível.”

Ele tirou o chapéu e respirou com nojo.

“Mamãe, papai, o que está acontecendo?” Daniel perguntou, mas nós o levamos de volta para o carro. Voltei ao policial e o inspetor veio e me disse que podia entrar. Entrei para descobrir que onde estavam as manchas de mofo havia buracos na parede. Homens de uniforme e máscaras carregavam pequenos objetos em sacos plásticos para fora da casa. O especialista em mofo estava sentado com uma xícara de café no sofá, com a cabeça na mão. Ele parecia profundamente perturbado. Eu olhei para ele por um tempo e pensei que seria melhor não perguntar o que tinha acontecido. Mas eu não precisei.

“Você ainda não viu o que tinha em suas paredes?” Ele me perguntou, com os olhos arregalados: “Eu nunca fiz um trabalho como este. Chocante.”

“O que havia nas minhas paredes?”, Perguntei, com minha voz trêmula. “Diga-me, por favor – não aguento mais!”

“Não posso te contar, companheiro. É chocante!”

De repente, o mundo ao meu redor se tornou um borrão e eu caí no chão. Eu vim para a casa dos sogros dos meus pais novamente. Isso tudo tinha sido um sonho? Não. Eram agora 2h da manhã. Meu filho e minha esposa estavam lá em cima, eles me disseram. Um inspetor estava esperando para falar comigo.

“O que aconteceu inspetor? O que havia na minha casa?” Perguntei, o mais pacientemente que pude.

“Não leve a mal, senhor. Não estamos acusando você de nada. As coisas que encontramos datam de pelo menos uma década, a julgar pelo estado em que estão. ”

“O que você achou?!”

Foi-me dito que, depois de prometer manter a calma, atrás de cada uma das dezesseis manchas de mofo, ossos de crianças pequenas foram encontrados enrolados dentro das paredes. As crianças tinham entre 2 e 5 anos de idade e foram reconhecidas como crianças desaparecidas na área nos últimos trinta anos.

Agora, ouvir isso me abalou tanto quanto abalaria alguém na minha posição. Havia algo mais nas paredes daquela casa, algo ruim, e se as coisas tivessem acontecido de maneira diferente, poderia ter levado meu filho para a parede como todas as outras crianças. Eu e minha esposa ainda não superamos nossas experiências naquela casa, embora nosso filho pareça indiferente à coisa toda. Ele nunca foi informado sobre as crianças nas paredes e espero que nunca pergunte, para que não tenhamos que contar a ele. Ele nunca menciona seu amigo imaginário ‘Wallman’ e parece feliz o suficiente em nossa nova casa, como todos nós. Não quero tentar o destino nem nada, mas nosso novo lugar parece perfeito – nada de estranho acontecendo aqui.

Mas uma coisa me incomoda, e acho que nunca deixará de me incomodar enquanto eu viver. Ainda não sei o que diabos aconteceu naquela casa. Eu me refiro a ele como Wallman, porque o nome faz com que pareça menos assustador, mas não consigo superar o fato de que realmente tive contato com uma entidade paranormal. Acho que ainda está lá naquele edifício. Há uma grande chance de alguém querer comprar aquela casa agora, depois que a descoberta chegou às manchetes locais.

Há mais uma coisa. Alguns dias depois de ele fez sua terrível descoberta, o especialista em mofos combinou de me encontrar no meu local de trabalho. Ele parecia profundamente perturbado e me disse que tinha algo “muito estranho” para me mostrar. Era uma foto que ele havia tirado no celular no dia em que esteve em nossa casa. Era uma foto do espelho no corredor. Embora a qualidade fosse um pouco granulada, um rosto podia ser visto MUITO claramente no espelho. Ele estava no canto inferior do espelho – um rosto branco com uma boca larga, lábios finos e grandes olhos negros. Tinha dentes muito limpos e arrumados. Não parecia ter nariz nem pelo, mas talvez fosse apenas por causa da qualidade da imagem. Ele estava sorrindo amplamente, e seus olhos estavam bem abertos.

Mas o que mais me assustou no rosto foi o fato de estar lá. Na verdade, estava lá – evidência fotográfica real de algo paranormal que esteve em nossa casa o tempo todo.

“Vi o bastardo no espelho e eu não sabia o que diabos era, então eu tirei uma foto e saí correndo daquela maldita casa.” O homem me explicou bastante abalado.

Agora, não sei por que ele me mostrou aquilo. Talvez ele estivesse com medo e só queria tirar aquele peso das costas.

Eu realmente não me importo, porque agora que eu vi essa evidência fotográfica, não vou parar de pensar naquilo.

Eu nunca acreditei no paranormal até então. Mas agora, eu tenho a mente aberta. Faço minhas orações antes de ir para a cama todas as noites. Comecei a ser supersticioso, evitando lugares assustadores, evitando andar sob escadas e tudo o mais.

Agora só tenho um espelho em minha casa, no banheiro, e evito-o como se fosse uma praga. Sem mencionar que pratico métodos projetados para manter minha casa livre de energias negativas. Minha esposa gosta disso – afinal, é um bom Feng-Shui.

Às vezes, apenas às vezes, quando estou sozinho em casa e fica tudo quieto, pressiono meu ouvido na parede e ouço atentamente. Então eu olho no meu espelho por um tempo, apenas para ter certeza de que … não há mais nada lá.

Talvez você deva tentar também. Afinal, algumas casas são estranhas e existem há muito tempo. Com tempo suficiente, acho que as coisas passam a existir em lugares vazios que não deveriam ser permitidos.

Você pode achar que aquelas paredes que o protegem dos elementos todos os dias são de fato o lar de algo que você pode precisar de proteção.

E quanto aos espelhos, acho que são como portas na parede. Eles mostram não apenas o que está atrás de você, mas o que está atrás deles. Confie em mim, se você vir rostos estranhos no espelho, existe a possibilidade de haver algo em suas paredes.

Tá com medo?

Meu conselho – escove os dentes o mais rápido possível.

Deixe um Comentário

Pesquisa