A História de Terror ‘O Desaparecimento de Lúcia’, conta a história de uma mãe, abandonada por seu marido e filhas, que não consegue mais encontrar razão para viver e, certo dia, durante um de seus passeios noturnos, desaparece sem deixar pistas.

Era noite, por volta das 23h quando Lúcia quis dar uma volta pelo jardim de sua casa buscando refrescar-se do calor tremendo que fazia. Ela, que já tinha suas filhas adultas, vinha atravessando um momento delicado na vida: o divórcio. Seu ex esposo havia cometido adultério com uma jovem e, após muitas tentativas por parte de Lúcia em reatar o casamento, deu-se por vencida, uma vez que ele não rompia com a moça com a sua amante.

Dormir sozinha nestas noites de calor era um suplício para Lúcia. A bela casa em que residia era demasiadamente grande para ela. Cada cômodo trazia uma lembrança do homem que ela ainda amava. Era evidente o quanto ela sofria pela situação em que estava. Então, ela ia ao jardim e sentava-se em um banquinho, onde ficava por horas observando o céu estrelado. Ficava pensado na grandiosidade do universo e no quanto se sentia pequena e solitária.

Porém, nesta noite em específico, algo veio para agitar e transformar a vida de Lúcia para sempre. Sentada no mesmo banco, ela ouviu ruídos e viu uma luz estranha… No dia seguinte não foi ao trabalho. Suas colegas imaginaram que ela não estava bem pelo estado depressivo com que se encontrava. Ela não atendia ligações, não atendia à porta, foi necessário chamar suas filhas que moravam longe.

Quando elas chegaram, não sabiam nada da mãe. Com o divórcio, elas haviam ficado do lado do pai, dizendo compreender seus motivos e explicando que ninguém manda no coração. Elas não encontravam pistas do que havia acontecido, principalmente por não terem mais tanto contato com Lúcia. O medo de que ela estivesse morta foi enorme. Foi necessário acionar a polícia e registrar um Boletim de Ocorrência. As buscas se iniciaram, entretanto, não havia nenhuma pista para seguir, o desaparecimento de Lúcia deu-se de forma totalmente misteriosa. Havia apenas um fato que poderia justificar este sumiço, o divórcio.

Lúcia e seu ex marido formaram um grande patrimônio. Ele era médico e ela contadora de uma grande empresa. Possuíam casas, carros e investimentos e estava sendo muito desgastante o processo de divisão de bens, pois Lúcia queria vingar-se do homem tirando praticamente tudo dele. Ela considerava que assim, a sua amante desistiria quando o visse à beira da pobreza. Por ser uma mulher dos números, Lúcia sabia exatamente o que fazer para “detonar” o ex, o que justificaria ele querer eliminá-la de seu caminho.

Ademais, a separação em si foi muito desgastante. Houve pancadaria, roupas jogadas pela sacada, escândalos, estardalhaço atrás de estardalhaço. O caminho a ser seguido, portanto, era único e baseava-se em encontrar provas de que ele era o responsável pela situação.

A cidade inteira estava de olho no que estava acontecendo. Tentavam ajudar a polícia, as vezes passavam informações falsas. Mas todos queriam saber onde estava Lúcia, se estava em cativeiro, se estava morta, se estava sendo torturada… As pessoas costumam ser carniceiras… E para o desgosto delas, em uma certa manhã, Lúcia foi encontrada em seu jardim, deitada sobre o banco, como alguém que havia pego no sono e ficado por ali mesmo.

Ela foi levada para cuidados médicos e, ao acordar, levou um susto com tanta preocupação ao seu redor. Suas filhas lhe contaram que ela tinha ficado desaparecida por oito dias e lhe perguntaram se o pai havia feito aquilo. Lúcia disse que não se lembrava de nada. As investigações contra o esposo seguiram. Ela se reestabeleceu, ao contrário do que todos esperaram, ela parecia mais confiante e bem consigo mesma.

Quando a poeira abaixou alguns dias depois do ocorrido, Lúcia não compareceu ao culto que frequentava todos os domingos à noite. No dia seguinte, novamente não foi trabalhar. Ela desapareceu de novo, logo após uma briga com o ex sobre a divisão dos bens, que ficou registrada em gravação no celular dela. As chances de ele ter lhe feito algo ruim eram enormes. Por isso, a polícia o prendeu provisoriamente.

Anos se passaram, por fim ele foi liberado e nunca ninguém compreendeu o que acontecera com Lúcia. Era como se ela não existisse mais. Uma de suas filhas ficou tomada pela culpa de não ter dado a devida atenção para a mãe, quando esta atravessava um momento tão delicado da vida, que ela só entendeu quando seu marido também a deixou. Foi em uma manhã que ela recebeu uma carta que esclarecera tudo:

Olá, minha filha! Sei que lhe deixei preocupada e lhe peço perdão por seu medo de que eu estivesse mal. Mas alivie seu coração, estou bem e feliz. Aquela dor pelo abandono de seu pai, de suas irmãs e pelo seu, foi curada e transformada em amor. Eu quis muito a vingança de seu pai, hoje compreendo que não adiantaria nada.

Nas noites em que eu ficava sozinha naquela casa gigante, eu saía para observar o céu e pedia que alguém me fizesse companhia, que em algum lugar houvesse alguém que tivesse piedade e me tirasse dessa solidão. Foi o que aconteceu na primeira vez que desapareci. Uma grande luz apareceu e eu fui levada em direção a ela. Senti muito pavor daquilo, quando ouvi em meus pensamentos alguém me dizendo que iria ficar tudo bem. Me tranquilizei e então me vi dentro de uma nave, com cinco humanoides me encarando. Novamente tive medo e eles me acalmaram dizendo que sabiam como me ajudar. Realmente eles me acalmaram. Cuidaram de mim. Me deram atenção, carinho, respeito e me submeteram a um tratamento psicológico piloto para terráqueos.

O tratamento foi um sucesso e eles me devolveram para minha vida. No entanto, quando seu pai continuou insistindo no divórcio, senti profunda tristeza e eles vieram me buscar de novo. Me sinto feliz aqui onde estou. Não precisa mais me procurar, pois não me encontrará, pois estou onde seus olhos não podem ver. Não voltarei mais. Infelizmente vocês me excluíram de suas vidas e tenho medo de sentir aquela solidão novamente. Posso lhes ver quando quiser e, vê-la sofrer o mesmo que sofri, foi muito triste para mim, mas você é jovem e superará. Independente de tudo, eu amo vocês! Com amor, Mamãe.”

É claro que sua filha não acreditou nisso e levou a carta para a polícia, que revelou ser de fato a letra de Lúcia. Mesmo com todas as buscas, ninguém nunca encontrou seu paradeiro. A única justificativa, plausível ou não, era de que ela havia sido abduzida e vivia em outro mundo, onde, agora, podia se sentir realizada.

Licença de Uso
O conteúdo do site está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional. Você pode copiar o conteúdo desde que cite o autor e o link da matéria. Com exceção a seção de Histórias de Terror, que possui direitos autorais reservados. Importante: Os textos aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e podem não expressar a opinião do Mundo Sombrio.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *