Oferendas [História de Terror]

oferendas história de terror mundo sombrio

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr

Valdo achou uma afronta aquelas coisas diante da porta de sua nova casa. E não era um despacho qualquer, aliás, não era nem mesmo um despacho. Em comum com o que conhecia, apenas as velas. No meio da coisa havia uma caveira de gesso, flores, pequenos recipientes de vidro, cruzes estranhas e papéis com uma caligrafia estranha.

Antes de comprar a casa, Valdo tinha ouvido por um amigo que por ali existia uma religião satânica. No momento, ele pensou que se tratava de alguma coisa de adolescentes que se limitava a pichações, mas pelo visto a molecada ali era mais ousada. Ele chutou as coisas maldizendo quem quer que tivesse feito aquilo. Um dos recipientes se rompeu e um líquido vermelho sujou seus pés e a calçada. Sangue? Bem, não importava. De qualquer maneira era uma decepção que, naquela cidade, que não era metrópole, tivesse essas coisas.

O amigo que lhe dissera que por ali havia uma religião estranha, também dissera que aquele município era cheio de coisas toscas e pavorosas. O que exatamente, ele não disse. Mas Valdo também não quisera saber. Entrou em casa e tratou de esquecer o assunto.

Durante aquela noite, ele teve pesadelos terríveis e no dia seguinte se sentiu doente. Voltou para casa se sentindo péssimo. Tomou banho, pediu comida e lá pelas nove da noite se sentou diante da TV com uma xícara de chá nas mãos.

Ouviu batidas na porta da frente. Foi lá, mas não havia ninguém. Iniciou-se ali seu verdadeiro calvário. Toda vez que se sentou de frente a TV, as batidas na porta recomeçavam. Chegou a sair na rua, xingando quem quer que estivesse fazendo aquilo. Ameaçou chamar a polícia em alta voz, mas as perturbações continuavam. Começou a se sentir com febre e a se sentir observado. Desmaiou e quando acordou caído no meio da sala, teve certeza de que alguém estava dentro de casa. Olhou em direção à porta da frente e viu três espaços de luz vindo da fresta embaixo da porta. Algo dividia a luz, duas coisas que não estavam lá antes. Que se moveram… Pés? Sim, dois enormes pés e Valdo sentiu um calafrio terrível.

Um ser enorme ao qual podia ver apenas o contorno na escuridão, vindo em direção a ele. Podia sentir a respiração daquela coisa e seus passos lentos faziam parte do seu terror. O que ele devia fazer? Se levantar e correr? Óbvio, mas se sentiu paralisado como um personagem estúpido de um filme de terror B.

Fez um esforço, porém ao se erguer um tanto, o monstro correu, o alcançou em três segundos e o chutou no peito. A dor lancinante também tirou seu ar e ele foi arremessado ao ar alguns centímetros. Caiu no chão, arquejante, pensando que era o seu fim. Se a besta o chutasse mais, ele morreria. Tinha certeza.

A coisa se aproximou. Tinha uma cabeçorra enorme, redonda e descarnada, quase uma caveira… Soltou um urro e Valdo afundou numa inconsciência bem-vinda. Mesmo que fosse a morte… Mas ele não morreu.

Acordou no outro dia e foi ao médico. Tinha três costelas quebradas. Voltou para casa temeroso. Abriu a porta devagar coim o coração aos pulos… E então viu o chão coberto de caveiras de gesso, flores, velas, cruzes, recipientes. Uma semana depois reparou em pichações na parede de uma rua próxima, o desenho estilizado de uma criatura, de cabeça enorme de caveira, corpo longo, pés largos e mãos longas! Embaixo havia escrito: NECROI VIVE!

Deixe um Comentário

Pesquisa