A Dentadura

a dentadura história de terror mundo sombrio

Havia uma velha sem-teto. Toda noite, ela dormia em um beco e todos os dias, ela vagava pela cidade, vasculhando latas de lixo, procurando algo para comer. Ela nunca tinha cuidado dos dentes e todos caíram anos atrás. Toda vez que ela comia alguma coisa, tinha que esmagar a comida com as gengivas.

Uma noite, enquanto fazia suas rondas vasculhando latas de lixo, ela viu algo no meio de um beco. Ela se abaixou para olhar mais de perto. Em uma poça de sangue, havia uma dentadura.

Incapaz de acreditar na sorte, ela pegou o objeto e o limpou com um pano velho. Depois de examiná-lo, ela o colocou na boca e o experimentou. A dentadura coube direitinho. Ela queria testá-la, então pegou um tomate encharcado das latas de lixo e o mordeu. Os dentes falsos funcionavam perfeitamente.

Depois de um tempo, a velha começou a sentir muita fome. Ela vasculhou mais algumas latas de lixo e encontrou uma batata, algumas cenouras e uma cabeça podre de alface. Enfiando-os na boca, ela engoliu todos eles. Quanto mais ela comia, mais faminta ficava.

Então, a mulher viu um gato de rua. Ela o perseguiu por alguns quarteirões e, quando o pegou, o gato começou a gritar, arranhar e cuspir. Ela não se importou. Ela apenas o enfiou na boca, mastigou e devorou com rabo e tudo.

Um policial estava andando quando viu a velha enrugada roendo um poste de luz. Ele caminhou até ela e perguntou o que ela estava fazendo. A velha parou de morder o poste e virou-se para encará-lo. Ela tinha os maiores dentes que ele já viu.

De repente, ela o atacou e começou a ranger os dentes. Clack! Clack! Clack! Ele tentou lutar com ela, mas ela era forte demais. Ela mordeu a manga dele, arrancou um pedaço do pano e engoliu em seco. Ele sacou a arma, mas antes que pudesse disparar, ela a engoliu inteira. Então, ela comeu o policial também e, quando terminou, tudo o que restava eram o distintivo e as algemas.

Pouco tempo depois, um garoto de bicicleta passou andando. A mulher o agarrou e o mastigou até que tudo acabasse. Então, ela comeu a bicicleta dele como sobremesa, mas sua fome ainda não estava saciada.

Dois sem-teto estavam dormindo em uma porta. Ela foi até eles e os comeu antes que eles tivessem a chance de acordar. Então, um homem em um carro parou no sinal vermelho. Ela o puxou pela janela e o engoliu também.

A velha correu pelas ruas, mas elas estavam desertas. Era tarde da noite e não havia ninguém por perto. Ela estava ficando desesperada e com tanta fome que estava com água na boca. A baba escorria por sua boca e tudo que ela conseguia pensar era em comer.

No meio do braço, ela tentou parar, mas estava muito saboroso. A dentadura estalava, mastigando, cortando carne e osso como se fossem apenas doces. Logo, não havia mais nada da velha senão uma poça de sangue e uma dentadura.

Pouco antes do amanhecer, um velho sem-teto desceu pela calçada e viu os dentes postiços caídos em uma poça de sangue. Ele não tinha dentes, então os pegou, limpou e enfiou na boca. Eles se encaixaram perfeitamente.

Ele foi embora e só conseguia pensar em como estava com fome.

COMPARTILHE ESSE POST

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr

DEIXE UM COMENTÁRIO

Posts Recentes

error: Alert: Esse conteúdo está protegido!