Início LendasLendas Colombianas El Silbón: A Lenda Colombiana que Apavora com seus Assobios

El Silbón: A Lenda Colombiana que Apavora com seus Assobios

por Mundo Sombrio
0 comentário 352 visualizações
el silbón o assobiador lenda colombiana mundo sombrio

Nas planícies da Colômbia e principalmente da Venezuela, existe uma lenda de um espectro amaldiçoado que, depois de matar seu pai, vagueia pela planície desde os tempos antigos. Seu assobio terrível é sinônimo de morte e infortúnio, por isso o chamam de El Silbón ou O Assobiador.

Muitos são os habitantes das planícies que dizem já o terem visto, especialmente no verão, época em que a savana venezuelana queima sob os rigores da seca e El Silbón senta-se nos troncos das árvores e coleta poeira nas mãos. Mas é principalmente nos tempos chuvosos que o espectro vagueia com fome de morte e ansioso para punir bêbados e mulherengos e, ocasionalmente, alguma vítima inocente. Dizem que, dos bêbados, ele suga o umbigo para beber o conhaque que ingeriram quando estão sozinhos pela planície e que, dos mulherengos, ele remove os ossos e os coloca na bolsa onde guarda os restos mortais do seu pai.

Algumas versões dizem que ele é como um gigante de cerca de seis metros, que anda se movendo entre as copas das árvores enquanto emite seu assobio arrepiante e faz os ossos secos de seu infeliz pai, rangerem de dentro de sua velha e esfarrapada bolsa; ou, segundo outros, de suas múltiplas vítimas. Outras versões dizem que, especialmente para os bêbados, ele é apresentado como a sombra de um homem alto e magro com um chapéu.

Há uma crença de que seus assobios se seguem em ciclos de dó, ré, mi, fa, sol, la, si e que eles são ouvidos de perto quando não há perigo e de longe quando o perigo está muito próximo, porque quanto mais longe eles soam, mais perto El Silbón está. Alguns pensam que ouvir o assobio dele é um prenúncio da própria morte, que pode ser ouvido em qualquer lugar e a qualquer hora e que, se você o ouvir longe, não terá outra salvação senão o latido de um cachorro; ou, para outros mais otimistas, também o ají (uma fruta vermelha e muito apimentada que é usada como condimento).

Dizem que, em certas noites, El Silbón pode aparecer perto de uma casa, deixando a bolsa no chão e contando os ossos um a um. Se uma ou mais pessoas o ouvirem, nada acontecerá; se ninguém ouvir, ao amanhecer, um membro da família nunca mais acordará.

Nas planícies orientais da Colômbia, onde o chamam de “The Whistler” (O Assobiador), eles acreditam que ele é a alma errante de um mulherengo festeiro que morreu em solidão. As pessoas afirmam que ele procura a companhia de alguém que, naquela hora da noite, ousa cavalgar pelas planícies. Mas essa versão gentil é uma exceção porque, também na Colômbia, outros dizem que O Assobiador persegue mulheres grávidas, que seu apito penetra nos ouvidos e infunde frio e que, se alguém o ouve em tom agudo, ele prevê a morte de uma mulher, enquanto que, se parecer grave, prediz o de um homem. De qualquer forma, essa mulher ou homem geralmente é alguém que você conhece e que ouviu o assobio.

el silbón o assobiador lenda colombiana mundo sombrio

Origens da Lenda de El Silbón

A lenda de El Silbón nasceu em meados do século XIX nas planícies de Guanarito, um município do estado de La Portuguesa, na Venezuela. Mais tarde, a lenda migrou para as planícies de Cojedes e Barinas e hoje é encontrada em certas áreas da planície colombiana.

Primeira Versão

Um certo jovem descobriu que algo estranho estava acontecendo entre sua esposa e seu pai. Alguns dizem que o pai a espancou, mas geralmente se diz que ele a estuprou e que, quando seu filho o encontrou cometendo o crime, ele apenas se justificou dizendo: “Eu fiz isso porque ela é um presente (mulher fácil)”. Então a raiva do jovem foi desencadeada e os dois começaram um combate corpo a corpo. Atingindo-o no meio da luta com um pedaço de madeira e sufocando seu pai (que estava caído ao chão após o golpe), segurando-o ferozmente até que ele parou de respirar.

O avô, que ouvira a briga inteira, pois estava por perto, correu para ver o que estava acontecendo e encontrou o atroz parricídio. Chocado, ele jurou que puniria o jovem que, sendo de sua própria carne e sangue, ousou matar aquele que lhe deu a vida.

Assim, pouco tempo depois, ele se certificou de que o assassino estivesse preso, dando-lhe uma chuva de chicotadas. Após isso ele esfregou pimenta em suas feridas e jogou o cachorro Tureco para persegui-lo. Segundo a lenda, o espírito do cão o assombrará até o fim dos tempos.

Segunda Versão

El Silbón era um jovem caprichoso e mimado, todos faziam de tudo para agradá-lo. Um dia, ele quis comer assado de veado (feito com o fígado, coração e pulmão do animal); e seu pai imediatamente foi caçar um cervo.

Mas eis que o pai teve um péssimo dia de caça e, depois de voltar de mãos vazias, deu de encontro com a raiva do filho, que saiu do controle, matou o pai e retirou as melhores partes do corpo para poder assar. Depois disso, entregou as partes à mãe, que nada sabia do assassinato; A última parte não amolecia de jeito nenhum como de costume, assim ela suspeitou do filho e contou para o avô dele.

Depois de descobrir o crime, o jovem foi amaldiçoado por seu avô e pelo seu irmão (segundo alguns, também por sua mãe), que o amarraram, chicotearam as costas, esfregaram pimenta nas feridas, expulsaram-no violentamente de casa e lançaram o cachorro Tureco para persegui-lo.

Terceira Versão

Dizem que El Silbón era um garoto mimado, um jovem que cresceu com excessos de liberdade que, na adolescência, saiu de casa simplesmente porque queria “ver o mundo” e fazer “o que quisesse”.

Fora de casa, El Silbón levou uma vida libertina em festas, excesso de álcool e sexo desenfreado e promíscuo estavam na ordem do dia. Como ele era violento, eles dizem que ele matou várias pessoas e que, por isso, esteve muitas vezes na prisão (não se sabe como ele saiu tão rápido). Mas finalmente El Silbón se cansou de todos os golpes e maus-tratos que os excessos de sua vida briguenta e libertina lhe custaram, pelo qual um dia ele retornou ao rancho de seus pais e lá, apesar de todos os seus feitos atrozes, foi recebido com alegria e carinho.

Depois de alguns dias, ele convidou seu pai para caçar e, quando estavam um pouco mais no fundo da floresta, depois que o menino havia guiado o pai por um longo tempo, encontraram uma árvore fina e torta que bloqueava seu caminho. O seguinte diálogo surgiu entre o filho e o pai:

— Pai, por que você não ajeita essa árvore? Está atravessando a estrada. Por que você não endireita?

— Oh, filho! Ela não pode mais ser endireitada. Tinha que ser feito quando ainda estava macia, quando era pequena, já está muito formada e crescida, não é mais possível.

— Ah! Se você sabia que as coisas tortas se endireitam quando são pequenas: por que não me endireitou quando pode, quando estava na hora?! Você me deixou ficar mal, torto e mimado. Você não sabe o quanto eu sofri por isso. Eu tive que matar muitas pessoas e sofrer muitos golpes para estar vivo agora.

Quando chegou a hora, o filho confessou ao pai que pretendia matá-lo, que tinha que se vingar de tudo o que sofrera por causa dele. Então, sem lhe dar tempo para fugir, ele o agarrou pelo pescoço, o esfaqueou e tirou as partes (fígado, coração e pulmão) com as quais o assado é feito. Então ele deixou o corpo deitado e foi para casa com as partes de seu pai, para que a mãe fizesse um assado.

No entanto, a mãe percebeu o crime, enraiveceu-se, o amaldiçoou e, junto com o irmão e o avô, amarraram-no, arrancaram a pele das costas, esfregaram pimenta, o exilaram para sempre de casa e mandaram o cão Tureco para persegui-lo, amaldiçoando-o de que ele estaria vagando e não teria descanso porque ouviria o cachorro latindo toda vez que ele parasse para descansar.

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alert: Esse conteúdo está protegido!