Assassina das Panelas | A Serial Killer Hèléne Jégado

Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no tumblr

Hélène Jégado, conhecida como Assassina das Panelas’, foi uma serial killer francesa que, em 18 anos, matou 36 pessoas usando arsênico. Hélène era empregada doméstica e também analfabeta. Não havia muita lógica na escolha de suas vítimas. Qualquer pessoa que olhasse torto ou que discordasse, seria uma possível vítima. Hélène envenenava suas desavenças e observada contente a agonia. Depois, chorava junto à família, a morte da pessoa.

O Início da Assassina das Panelas

Hèléne Jégado (A Assassina das Panelas), nasceu em uma pequena aldeia perto de Lorient (na Bretanha Francesa) em 1803. Em 1810, quando tinha 7 anos, sua mãe morreu de tuberculose e seu pai a enviou para morar com suas tias. Trabalharam na casa de um clérigo em Burbry, e Hèléne começou a aprender serviços domésticos.

Pouco se sabe dela até 1833, quando começou a trabalhar como cozinheira na casa de François Le Drogo, um padre que morava com sua família em Guern.

Assassina das Panelas | A Serial Killer Hèléne Jégado 1

Entre 28 de junho e 3 de outubro desse ano, sete membros da família morreram de repente naquela casa, incluindo François e uma irmã que estava o visitando. Apesar do mistério em torno dessas mortes, ninguém suspeitava de Hèléne, porque estava muito desolada. Além disso, ocorreu uma epidemia de cólera no ano anterior, então as mortes foram atribuídas a isso.

Pouco depois, sua irmã faleceu, e ela tomou seu lugar como empregada doméstica; Foi sorte demais para ela, já que desde que o padre para quem trabalhou tinha morrido, logo estaria demitida.

Leia Também:  Baba Yaga | Conheça a Bruxa Lendária da Mitologia Eslava

Enquanto ela estava trabalhando substituindo sua irmã, três pessoas daquela casa morreram. Mais uma vez na rua, Hèléne Jégado encontrou trabalho na casa de uma costureira. Marie-Jeanne Leboucher, a costureira, morreu pouco depois da chegada de Hèléne em sua casa, bem como sua filha. O filho ficou muito doente, mas sobreviveu. Apavorada por perder seu trabalho, uma viúva se ofereceu para que Hèléne fosse para sua casa. A viúva morreu na noite em que Hèléne chegou depois de tomar sopa.

E continua…

No ano de 1835 ela chegou a um convento para trabalhar, mas foi rapidamente demitida por alguns episódios de sacrilégio e vários assaltos. Ela continuou trabalhando como estagiária em vários outros lugares, lugares onde pessoas muitas vezes ficavam doentes ou morriam, muitas vezes com sintomas semelhantes ao envenenamento por arsênico. Como nunca era encontrado nada em seu poder, ela continuava livre.

A partir de 1841 até 1849, não há registros de mortes suspeitas onde Hèléne havia trabalhado. Mas as pessoas que a contrataram, relataram sua cleptomania, pois parece que ela foi pega várias vezes.

Prisão

Em 1850 ele chegou a Rennes e obteve um emprego na casa de um professor de direito na Universidade daquela cidade, Théophile Bidard. Pouco depois de chegar, uma das empregadas, Rose Tessier, adoeceu e morreu pouco tempo depois.

Assassina das Panelas | A Serial Killer Hèléne Jégado 2

Em 1851, Rosalie Sarrazin, outra empregada, seguiu o mesmo caminho. Dois médicos tentaram curará-la em vão, mas obtiveram permissão da família para fazer uma autópsia; Ele tinha os mesmos sintomas estranhos que Rose. Hèléne tornou-se suspeita proclamando sua inocência antes que alguém lhe dissesse alguma coisa.

Leia Também:  Verdadeira História de Phineas e Ferb | Será essa a Verdade?

Théophile imediatamente chamou a polícia, que a levou embora.

O Julgamento

Em 6 de dezembro de 1851, ela foi levada perante o juiz. Foi possível desenterrar várias pessoas que poderiam ter sido mortas por ela para fazer a autópsia e, em todos os casos, testaram positivo para arsênico e antimônio. Devido às limitações do tempo, ela foi formalmente acusada de três assassinatos, três tentativas e numerosos assaltos.

Quando o julgamento começou, seu comportamento surpreendeu os habitantes locais; às vezes ela sussurrava e às vezes gritava. Obediente às vezes e em outras tentava atacar seus acusadores. Ela afirmou não saber o que era arsênico, e no quarto apenas a palavra “veneno” havia sido pronunciada. Seu advogado argumentou que era melhor não condená-la à morte porque ela logo morreria de câncer. Ele não foi ouvido.

Hèléne Jégado foi executada na guilhotina em 26 de fevereiro de 1852 diante de uma grande multidão.

Acredita-se que ela seja responsável por pelo menos 36 intoxicações entre 1833 e 1851.

Desde então, ficou conhecida como A Assassina das Panelas.

O que você achou da História da Assassina das Panelas? Deixe sua opinião nos comentários! Abraços Sombrios!

Mundo Sombrio

Mundo Sombrio

Histórias de Terror, Lendas Urbanas, Vídeos, Creepypastas e muito mais. Mundo Sombrio: O melhor do Terror pra você!

Deixe um Comentário

Outros Posts

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Login

Faça o Login para ter acesso à muitas novidades no nosso site!

[ihc-login-form]

Pesquisa