A Mão Morta

“A Mão Morta” é uma história assustadora sobre um pântano na Irlanda que, segundo rumores, é assombrado por criaturas estranhas e perturbadoras. É baseada em um conto popular coletado por MC Balfour em seu livro, “Legends of the Lincolnshire Cars”. Uma versão dessa lenda apareceu em Scary Stories to Tell in the Dark.
a mão morta história de terror

Havia uma pequena aldeia na Irlanda que ficava na beira de um grande pântano. A terra pantanosa se estendia até onde a vista alcançava, pontilhada de pequenas e espessas ervas daninhas e esqueletos de árvores altas e esfarrapadas, com galhos que se estendiam como braços longos e retorcidos.

O solo encharcado poderia ser perigoso porque estava cheio de buracos profundos e cheios de água escura. Os buracos estavam muitas vezes escondidos atrás de pedaços de folhagem e era importante observar por onde andava. Se um homem caísse acidentalmente em um buraco de pântano, ele nunca mais sairia.

Era um lugar assustador, se todas as histórias contadas sobre ele forem verdade. Foi antes do meu tempo, mas eu ouvi muitas histórias estranhas sobre o pântano e isso faria sua pele eriçar, só para ouvi-las.

Todos os dias, os homens da vila saíam para o pântano e trabalhavam por horas, cortando o gramado. Eles colocavam em carrinhos de mão e o levavam para casa para secá-lo ao sol. Eles usaram o gramado como combustível, queimando-o na lareira para aquecer suas casas. Eles também foram capazes de vendê-lo para ganhar dinheiro.

Mas, depois que o sol se punha, ninguém ousaria se aventurar na escuridão daquele pântano desolado. Ao luar, o vento assobiava através dos galhos mortos das árvores retorcidas. Aqueles que viviam nas proximidades, muitas vezes viam formas estranhas rastejando através do deserto do pântano.

Havia rumores por toda a vila de que criaturas estranhas emergiam dos buracos do pântano à noite. As pessoas estavam com tanto medo que se recusaram a deixar suas casas depois do anoitecer. Havia apenas uma pessoa na aldeia que não acreditava nessas criaturas, um jovem alto chamado Tom McManus. Todos o conheciam como “Grande Tom”.

A caminho de casa, quando a luz começava a diminuir, ele costumava sussurrar para os amigos: “Tem um!”, e eles pulavam e corriam. E Tom ria e ria. Finalmente alguns de seus amigos se voltaram contra ele. “Se você sabe tanto”, eles disseram, “por que você não vai ao pântano durante a noite e vê o que acontece com você?”.

“Eu vou”, disse Grande Tom. “Claro, eu não trabalho lá todos os dias? Nenhuma vez vi algo que me assustasse. Por que seria diferente à noite? Amanhã eu levarei minha lanterna e sairei para o salgueiro suspenso no meio do pântano. Se eu ficar com medo e fugir, eu nunca vou tirar sarro de vocês novamente”.

Na noite seguinte, os homens foram à casa de Grande Tom McManus para vê-lo em seu caminho. Era a mais negra das noites e nuvens espessas obscureciam a lua, bloqueando a luz. Assim que chegaram, a mãe de Tom estava implorando para ele não ir.

“Eu vou ficar bem”, disse ele. “Não há nada para ter medo. Não seja tola como o resto”.

Ele pegou sua lanterna e saiu cantarolando, descendo o caminho que levava ao pântano. Alguns dos jovens se perguntaram se Tom não estaria certo. Talvez eles estivessem com medo de coisas que não existiam. Alguns decidiram segui-lo e ver por si mesmos, mas ficaram para trás no caso de ele ter problemas. Eles tinham certeza de que viram formas escuras se movendo. Mas a lanterna de Tom continuava subindo e descendo, e a voz dele continuava flutuando de volta para eles, e nada aconteceu.

Finalmente eles avistaram o salgueiro. Tom estava em pé em um círculo de luz, olhando de um lado para o outro, assobiando uma melodia feliz. De repente, o vento soprou sua lamparina e Tom de repente parou de assobiar. Os homens ficaram em silêncio e imóveis na escuridão, forçando os olhos tentando enxergar e esperando que algo terrível acontecesse.

Quando as nuvens mudaram e a lua apareceu novamente, eles tiveram um vislumbre de Grande Tom. Suas costas estavam contra o salgueiro e seus braços estavam na frente dele, como se estivesse lutando contra alguma coisa.

Parecia que a própria escuridão estava viva com coisas viscosas e rastejantes. Formas estranhas giravam em torno dele. Eles podiam ouvir gritos altos e sons de gemidos terríveis. Então, as nuvens cobriram a lua novamente e mais uma vez foi tão negra quanto o tom.

Os homens já estavam de joelhos, rezando pela vida e chamando a Virgem Maria e todos os santos para protegê-los. Quando a lua saiu novamente, o rosto de Tom estava pálido como a morte. Ele estava desesperadamente pendurado no salgueiro por um braço. Seu outro braço estava esticado na frente dele e algo ainda estava puxando-o.

Parecia uma mão sem corpo, com carne podre caindo dos ossos mofados e tinha um aperto firme no braço do pobre Tom. Ela o puxou, até que, finalmente, Tom perdeu o controle sobre a árvore e foi arrastado para a noite, gritando como uma alma no inferno. Isso foi o que os homens que testemunharam Tom ser engolido pela escuridão disseram.

Quando as nuvens apagaram a lua mais uma vez, os homens se viraram e correram pela escuridão em direção à aldeia. Eles de perderam no caminho e caíram na lama, lutando para evitar os buracos mortais. No final, eles conseguiram se arrastar de volta sobre suas mãos e joelhos. Mas Tom McManus não estava com eles.

De manhã, as pessoas procuraram Tom por todos os lados. Finalmente, eles o deram como desaparecido. Naquela noite, os aldeões ouviram um grito. Era a mãe de Tom. Ela estava correndo pelo caminho do pântano, gritando e acenando. Quando os aldeões a viram, ela gesticulou freneticamente para que eles a seguissem.

Lutando para superar seus medos, os aldeões correram atrás dela e, quando ela parou, eles encontraram o jovem Tom McManus caído contra um salgueiro, tremendo e gaguejando como se tivesse perdido a cabeça. Sua mão esquerda apontava para cima e seus olhos selvagens olhavam para algo que só ele podia ver.

Onde sua mão direita deveria estar, não havia nada mais do que um coto sangrento. Ela havia sido arrancada. Ninguém sabia o que ele tinha visto. Algumas pessoas alegaram que ele havia sido atacado pela mão morta e outros disseram que era apenas a conversa de idiotas bêbados e supersticiosos.

A única pessoa que realmente sabia o que tinha acontecido naquela noite era o jovem Tom McManus, mas ele nunca mais falou qualquer palavra. Ele passou o resto de sua curta vida, entrincheirado em seu quarto e tremendo durante as longas noites.

Ele não chegou ao fim do ano e, quando eles o colocaram em seu túmulo, sua mãe chorosa gritou para as pessoas reunidas no adro da igreja implorando para que nunca fossem tão imprudentes a ponto de se aventurarem no Pântano amaldiçoado no meio da noite.

E aí, o que achou da História de Terror “A Mão Morta”? Deixe a sua opinião aí nos comentários. Abraços Sombrios.

COMPARTILHE ESSE POST

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr

DEIXE UM COMENTÁRIO

Posts Recentes

error: Alert: Esse conteúdo está protegido!