Medo do Escuro [História de Terror] - Mundo Sombrio

Medo do Escuro [História de Terror]

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Sabe quando você apaga a última lâmpada, fica tudo no escuro, e sente aquele frio na espinha? Não importa se é criança, adulto ou velho, você sempre pode sentir o ambiente esfriar de repente, como se seu sangue gelasse só por causa do escuro.

A maioria das pessoas deixa a lâmpada do quarto acesa e se foca na claridade do caminho de volta pro quarto, outros vão correndo, mas poucos olham pra trás. Você sabe que não tem nada lá no escuro, ou pelo menos sua mente quer pensar assim.

Mesmo quando está deitado e ouve barulhos estranhos, você ignora, você sabe que pode ser o vento ou algum objeto em falso que caiu, mas lá no fundo você tem medo de olhar e perceber alguma coisa te olhando de volta. As crianças tem este medo, mas à medida que vão crescendo, vão sendo treinadas para acreditar que não há nada ali.

Eu acreditava.

Naquela vez que fui ao banheiro, tinha esquecido de ligar a luz do corredor. Era desnecessário, eu sabia o caminho. Fui olhando pro chão, com medo de tropeçar em algo no escuro. Estava frio, achei normal, afinal já era noite.

Enquanto fazia o que tinha ido fazer no banheiro, senti um pequeno calafrio. Ri sozinho. Estava realmente apertado, era um alívio!

No caminho de volta, ouvi um estalo atrás de mim e me arrepiei. Nessas horas, nosso cérebro começa a procurar uma explicação pro que está acontecendo. Comecei a vasculhar minha mente tentando lembrar se eu tinha trancado a porta. Tinha. Tinha certeza que sim.

E é nessa hora em que você pensa o quanto seu medo é ridículo, olha pra trás pra provar a si mesmo que está errado. Então eu olhei e o que eu vi fez meu sangue gelar.

Leia Também:  A Casa das Tristezas Indecifráveis [História de Terror]

Olhava diretamente pra mim. Não podia ver seus olhos, mas sabia que olhava pra mim. Minhas pernas não se mexiam. Eu não conseguia gritar. Parecia ter levado uma eternidade encarando aquelas órbitas vazias, até que consegui forças pra correr até o meu quarto e acender a luz.

Enquanto meu coração parecia querer sair pela boca, olhei para onde a coisa estava e não havia nada.

Na manhã seguinte, não sabia se havia sido um sonho, ou se tinha sido mesmo verdade. Mas de uma coisa eu sabia: Eu não durmo mais de luz apagada.

Por: Desconhecido

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr

Segue a Gente

Scroll Up

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência no nosso site. Se estiver de acordo clique em ACEITAR, mas se estiver em dúvida, leia nossa Política de Privacidade.​

Pesquisa