Início Histórias de Terror A Ponte das Lamentações

A Ponte das Lamentações

por Mundo Sombrio
0 comentário 1884 visualizações
a ponte das lamentações história de terror lenda urbana mundo sombrio

Tom estava viajando à noite em uma estrada do condado de Ohio, era uma viagem tranquila e por que não dizer um pouco chata. Para se divertir, ele havia sintonizado uma frequência de rádio na qual um pregador louco falava de salvação eterna, é claro, depois de pedir por doações generosas à sua igreja. Tom, só de ouvir aquilo, já estava ficando doente. Como poderia existir pessoas que acreditavam naquele homem? Não seria proibido vender produtos falsos, como as lascas da cruz de Cristo ou as lágrimas da Virgem Maria? Ele ficou tão indignado que mal notou uma menina andando na beira da estrada e pedindo para ele parar.

Freando com muita força, Tom parou o veículo alguns metros à frente da garota.

— Querida, como você pode andar sozinha à essa hora nesse frio. Eu quase te atropelei – disse Tom enquanto diminuía o volume do rádio.

— Obrigado por parar, senhor. Estou com pressa porque meu bebê está me esperando. Ficou escuro e ninguém parou para me ajudar, você deve ser a terceira pessoa que vejo em meia hora e a primeira a parar.

— Não se preocupe, contanto que eu não me afaste muito da estrada, eu levo você para sua casa.

Tom não estava acostumado a dar caronas e, provavelmente, se ele não estivesse tão envolvido com o programa de rádio que estava ouvindo, não teria se arriscado a parar o veículo para ajudar um estranho. De qualquer forma, ver o rosto preocupado daquela que parecia quase uma menina e ouvir a história de que ela deveria encontrar seu bebê o comoveu.

— Meu nome é Tom. Não sei como você não congelou lá fora. Essa noite está muito fria – ele disse enquanto lhe sorria.

— Muito obrigado Tom, eu sou Sarah. Eu não planejava andar até tão tarde. A minha casa não está tão longe, você só precisa chegar à próxima ponte que fica a alguns quilômetros de distância, meu bebê está lá esperando por mim.

Tom não se atreveu a perguntar a idade da garota. Ele ficou impressionado que ela falou do seu bebê duas vezes, pois ela não parecia ter mais de catorze ou quinze anos. Olhando um pouco para as roupas de Sarah, o homem percebeu que ela provavelmente pertencia a algum tipo de congregação Amish, pois suas roupas folgadas pareciam ser do século passado. Ele estava confuso e não sabia que tipo de assunto puxar, embora estivesse morrendo de vontade de conversa. Quase sem perceber, a atmosfera foi tomada por um silêncio constrangedor que durou alguns minutos até que:

Leia Também:  O Choro no Quarto ao Lado

— É aqui! – a garota disse ao se aproximar de uma ponte que ela havia mencionado antes.

Tom diminuiu a velocidade do veículo até, como que por mágica, no meio da ponte, o carro parou por conta própria. As luzes, o rádio e o aquecimento desligaram e, por mais que ele tentasse religá-los, era impossível. Foi então que ele sentiu algo à sua esquerda.

Era como se todos os animais que habitam a noite tivessem concordado em fazer um silêncio absoluto, nada era ouvido, nem mesmo o vento movendo as folhas das árvores naquele local. Quando, de repente, um grito suave começou a ser ouvido. Era como um sussurro que se tornou cada vez mais alto. Ele abriu a janela para ouvir melhor e, quando se virou, viu que a garota não estava mais no banco do passageiro.

Era muito estranho, porque ele não ouviu a porta abrir ou fechar, também era estranho que ela saísse sem se despedir, pois ela havia sido muito educada durante os poucos minutos em que a conhecera. Mas o que realmente o atormentou foi o choro que estava se tornando mais intenso, como o de um bebê que foi esquecido por horas. Ele saiu do veículo e aproximou-se da beira da ponte, onde o choro podia ser ouvido com maior intensidade. Não havia dúvidas, estava vindo de baixo da ponte.

Tom não era um homem corajoso, mas estava hipnotizado pelos choros do que parecia ser de um bebê. Pensou que talvez Sarah tivesse descido para cuidar de seu filho e, portanto, na pressa, ela não se despediu e desceu o rio pelo outro lado.

Ele desceu até estar perto do rio, bem no lugar de onde o choro parecia vir. Misteriosamente, e embora ele não pudesse ver nada, ele podia ouvir o choro de um bebê cada vez mais claramente, era estranho pois parecia vir de dentro da água e, por mais que ele olhasse para os lados, não via nada, foi quando ele sentiu algo…

Como se uma agulha fria de gelo atravessasse suas costas, um calafrio o sacudiu, deixando-o praticamente petrificado. Ele teve a impressão de que tinha alguém que o olhava de lá da ponte, um olhar firme que fazia seu sangue gelar. Lentamente, ele levantou a cabeça para ver quem o observava e caiu no chão assustado.

Pendurado na ponte estava o corpo de Sarah, que parecia ter se enforcado com uma corda amarrada ao corrimão da ponte. Os olhos frios da mulher morta o encaravam. Seu rosto tinha uma estranha expressão de dor e sua boca parecia deslocada, mas a coisa mais aterrorizante ainda estava por vir. Apesar de Sarah parecer estar morta por vários dias no local, ela começou a se mover. Um dos braços estendeu a mão e apontou o dedo para o leito do rio.

Leia Também:  O Navio de Cruzeiro

Tom ainda estava tão petrificado no chão de tanto medo que não se atreveu a se mover, quase sem forças, ele virou a cabeça para olhar para o lugar para onde o dedo em decomposição de Sarah apontava.

Na água, o corpo de um recém-nascido podia ser visto flutuando de cabeça para baixo e mais uma vez ele ouviu o choro de coração partido.

O medo deu lugar ao pânico e o terror que o paralisara antes o obrigava a correr o mais rápido que podia. Ele tropeçou na encosta que havia descido no leito do rio e voltou para o carro. O choro da criança e o lamento do espírito de Sarah foram ouvidos cada vez mais perto. Completamente desesperado, ele começou a empurrar o veículo que, da mesma forma que tinha desligado misteriosamente quando chegou na ponte, ligou-se quando saiu dela. Ele entrou no carro e dirigiu o mais rápido que pôde para escapar da Ponte das Lamentações.

NOTA: A lenda da “Ponte das Lamentações” é uma das mais conhecidas nos Estados Unidos e possui uma difusão especial no estado de Ohio, onde praticamente todas as pontes antigas têm sua própria lenda. A maioria dessas histórias tem um ponto em comum: uma mãe muito jovem, depois de esconder a gravidez, decide jogar o bebê recém-nascido no rio de cima de uma ponte para que seus pais não a descubram. O bebê é afogado (ou atingido pelas pedras, dependendo da versão) e a mãe sofre com um sentimento de culpa que acaba cometendo suicídio se enforcando na viga da ponte (ou se jogando no rio). A partir desse momento, a alma do bebê não para de chorar todas as noites e o espírito da mãe tenta encontrá-lo nas margens do rio ou procura ajuda dos motoristas que circulam pela ponte.

Em quase todas as versões, se você deixar o veículo na ponte e parar para ouvir, poderá ouvir o choro e, o que é mais arrepiante, seu veículo irá ficar sem energia e você não poderá ligá-lo novamente. A única maneira de fazê-lo funcionar de novo é empurrando-o até o fim da ponte.

Existem muitas variantes dessa lenda. Em algumas, o espírito da mãe e do bebê podem incitar você a cometer suicídio, enforcando-se como a mãe ou simplesmente pulando no rio onde as águas frias ou um golpe contra as rochas acabem com a sua vida . Em outras versões, fala-se de um orfanato que pegou fogo e, as crianças assustadas ao fugir, acabaram se afogando no rio. Portanto, é possível ouvir mais de um lamento.

Você também pode Gostar

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alert: Esse conteúdo está protegido!