A Fogueira

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
a fogueira história de terror mundo sombrio

A viagem demorou algumas horas. Quando saí da estrada principal e entrei na estrada que se ramificava, fiquei impressionado com a sensação de que ficaria muito sozinho aqui. Eu sou um caminhante ávido, mas como muitas das trilhas que eu normalmente frequentava se tornaram quase lotadas ultimamente, para esta viagem eu decidi ir por uma trilha que eu tinha ouvido falar vagamente, mas quase não sabia nada dela. Ela levava a um território selvagem, com nada por centenas de quilômetros. 

O terreno fazia parte de um dos Parques Nacionais próximos, mas apenas era mencionado no site do Parque. Isso porque estava muito mais longe do que as trilhas visitadas regularmente, acessíveis apenas a partir de uma estrada ramificada que praticamente não levava a lugar nenhum.

Meu plano era ir para um lugar deserto e acampar durante a noite sob as estrelas. Eu moro em um estado deserto (não, não vou dizer qual), e imaginei que teria uma vista deslumbrante das constelações no céu sem nuvens à noite, especialmente porque estava previsto que seria uma noite sem lua. 

Eu já tinha percorrido as trilhas populares da região, então estava procurando algo um pouco mais longe – o plano era acampar sob as estrelas e voltar de manhã. A estrada deserta sugeria que eu estava certo ao pensar que ninguém havia ido tão longe. Deve ser uma boa chance de relaxar e fugir de tudo.

Finalmente, cheguei ao meu destino e saí do asfalto da estrada e passei para o cascalho da área de estacionamento. “Estacionamento” era um título generoso demais; era apenas uma área não lacrada ao lado da rodovia com uma placa anunciando a entrada do território do Parque Nacional. A área estava quase vazia, apenas um único carro estacionado. Saí do carro e me estiquei, olhando em volta e avistando o sinal baixo que marcava a trilha. Ao fazê-lo, dei uma segunda olhada no outro carro estacionado.

Parecia que ele estava lá por muito tempo. Todos os quatro pneus estavam vazios, embora não parecessem furados. Ele estava todo empoeirado – olhei para o meu carro, que estava levemente revestido pela poeira da estrada, mas o outro estava realmente coberto de poeira. Não havia janelas quebradas e não parecia ter sido roubado ou abandonado – não estava danificado. “Deve estar aí há bastante tempo”, pensei comigo mesmo, me perguntando por que ninguém do serviço de parques ainda não tinha rebocado ele. Resolvi lembrar mais tarde de ligar para eles quando chegasse em casa.

Abri a porta do meu banco de trás e peguei minha mochila, chapéu e rifle. Pensei muito em levar o rifle – afinal, era um peso extra, e era provável que eu não precisasse dele; mas da última vez que eu saí para caminhar durante a noite, tive um encontro muito próximo com um coiote que me deixou desejando que eu tivesse algo mais do que pedras para me proteger. Imaginei que, como era apenas um pequeno calibre 22, não seria muito pesado, e eu o coloquei em uma caixa leve e macia que caberia ao lado da minha mochila. Peguei meu protetor solar na mochila e coloquei um pouco nos braços e no pescoço, antes de desligar o telefone (liguei para minha irmã antes de sair da cidade para que ela soubesse meus planos) e guardei minhas chaves, colocando a mochila nas costas, estava na hora de começar a trilha.

Eu não tinha andado mais que algumas centenas de metros quando parei, com o nariz para o ar. Havia uma pequena brisa. Estremeci quando um ar quente atingiu meu rosto, porque o cheiro que vinha em minha direção era terrível. “Cheira como se algo tivesse morrido …” eu murmurei para mim mesmo. A brisa diminuiu e o cheiro a acompanhou. “Ugh”, eu disse, partindo novamente e acelerando o ritmo. Eu não via urubus, mas se tivesse algo morto por perto, eu não queria estar ali se o vento aumentasse novamente.

A caminhada ocorreu sem interrupções – não vou aborrecê-lo com todos os detalhes, mas foi uma caminhada excelente, uma trilha clara e fácil através do mato. 

Algumas horas se passaram, eu estava respirando com dificuldade quando cheguei a um ponto mais alto da trilha. Cheguei ao topo da colina e vi que o terreno se achatava à frente em um amplo platô. Olhando para o sol, vi que era meio da tarde e decidi que era um lugar tão bom quanto qualquer outro para montar acampamento durante à noite. Eu andei mais alguns minutos antes de sair da trilha – avistando um bom pedaço plano de terra. Havia os restos de uma fogueira no centro, apenas alguns pedaços de carvão e um pouco de terra queimada. Eu balancei a cabeça para mim mesmo, tirando minha mochila e a espingarda e colocando-as no chão perto da antiga fogueira.

Passei mais de uma hora trazendo lenha e mais meia hora dividindo tudo em pedaços gerenciáveis. Havia muitas por aí, muitos arbustos baixos e arbustos mortos por todo o lugar. Eu queria madeira suficiente para o fogo durar a noite inteira, pois o sol estava começando a se pôr e estava começando a ficar um pouco frio. Recuei e olhei para a minha pilha de lenha – era bastante e provavelmente muito mais do que eu realmente precisava. “Melhor prevenir do que remediar”, falei para mim mesmo. Os últimos raios de luz do dia espreitavam no horizonte enquanto eu acendia o fogo, aumentando até crepitar alegremente. Comi algumas barras de cereal que fiz como jantar frio, bebi um pouco de água e me sentei no chão olhando para as estrelas que saíam, me sentindo muito pacífico.

Mas esse sentimento não durou muito tempo.

Ouvi um vento forte. Ele assobiou entre as pedras e os arbustos, parecendo girar, passando por mim e depois voltando em minha direção. Ele trouxe um calor estranho à noite. Mas essa não foi a única coisa que ele trouxe; Senti novamente aquele fedor que o vento trouxera pra mim horas antes – quente e podre, como um bicho atropelado assando no asfalto sob o sol. Eu engasguei e tentei segurar meu jantar.

O fogo aumentou quando o vento o atingiu, lançando faíscas pelo ar. Eu fiquei olhando enquanto elas flutuavam no céu, manchas alaranjadas brilhantes contra o preto, quase se misturando com as estrelas. Enquanto se queimavam, o vento foi diminuindo, as chamas que ele havia aumentado também diminuíram. O fedor também havia ido embora; ele ainda estava lá no fundo, mas não estava mais soprando na minha cara. Depois que a luz do clarão diminuiu, tudo parecia muito mais escuro. Olhei em volta e tremi involuntariamente, percebendo o quão escuro estava de repente. Olhei para o céu e desejei não ter escolhido uma noite sem lua para minha caminhada, olhei de volta para o fogo e depois congelei – algo estava errado.

Eu pisquei com força e olhei novamente para o céu – as estrelas … as estrelas se foram. Um segundo eles estavam lá, e no outro elas simplesmente … não estavam mais; como se o vento as tivesse apagado como se fossem velas. Não havia nada no alto; apenas uma escuridão repentina ao redor, parecendo pressionar contra a cúpula de luz que minha pequena fogueira estava acendendo.

“O inferno !?”, exclamei, olhando em volta de mim. O ar não havia mudado de temperatura – ainda estava frio, mas não frio -, mas uma sensação gelada de desconforto tomou conta de mim. Estremeci novamente e joguei alguns galhos no fogo, depois vesti minha jaqueta e fechei-a. Onde antes eu era capaz de ver fracamente o contorno dos arbustos e pedras espalhados pela fraca luz das estrelas, agora não conseguia ver nada. Não havia mais horizonte, o céu repentinamente preto se misturou completamente com o lugar, e eu não conseguia ver nada na escuridão que se apertava ao meu redor.

Peguei meu telefone de dentro da minha mochila, liguei-o e acendi a lanterna. O flash do telefone se acendeu e lançou uma luz forte no chão – e então piscou e morreu, o telefone desligou-se novamente. Apertei o botão liga / desliga, mas a tela permaneceu teimosamente preta. “Merda”, pensei comigo mesmo, pegando minhas chaves na mochila. Encontrei a lanterna no chaveiro e a acendi, que também piscou e desligou imediatamente. Eu bati nela algumas vezes sem sucesso, antes de desistir e guardar minhas chaves e telefone de volta na mochila.

Olhei em volta, tremendo de inquietação novamente. Estava muito escuro; Eu não conseguia ver mais de seis metros de cada lado do fogo. Era quase como se a luz estivesse sendo abafada pela escuridão. Eu não conseguia ouvir nada além do crepitar da fogueira; o assobio do vento havia parado. O cheiro horrível ainda estava no fundo, como se houvesse algo morto por perto e – o que diabos era isso?

Ouvi um barulho, como alguém pigarreando – um “heh” grosso e molhado. Meu estômago embrulhou, minha respiração ficou presa na garganta por um segundo. Eu não estava sozinho aqui fora.

Olhando na direção em que o barulho veio, vi um pequeno clarão na escuridão e depois outro. Um formigamento correu na parte de trás do meu pescoço quando percebi que havia algo lá fora, sentado fora do alcance da luz da fogueira, me observando.

Minha irmã tem um cachorrinho, e eu me lembro que, uma vez, ele ficou me olhando de um quarto escuro no corredor enquanto eu estava no salão bem iluminado – eu não conseguia vê-lo, mas sabia que estava lá. Do jeito que a luz ricocheteava em seus olhos, pequenas manchas amareladas na escuridão a cerca de dois palmos do chão. O que eu vi foi naquele momento foi assim mesmo.

Só que, em vez de os olhos no escuro estarem na altura dos joelhos, como o cachorro da minha irmã, eles estavam a um metro e meio do chão.

Alto demais para ser um coiote ou até um leão da montanha, pensei quase distraidamente, tentando controlar o medo que estava borbulhando dentro de mim. “Yah! Saia daqui!”, eu gritei de pé e agitando os braços no ar. Não saiu. Em vez disso, os olhos desceram um metro, como se a coisa tivesse abaixado a cabeça. Movi-me lentamente para colocar a fogueira entre mim e ela, e ela se moveu também. Eu continuei me movendo ao redor do fogo, e ele continuou se movendo também. Eu parei e olhei para ele, e ele parou e olhou de volta. Uma coisa era estranha – meus pés tinham esmagado o cascalho quando me virei para encará-lo enquanto ele circulava, mas ele não emitiu nenhum som ao se mover. A escuridão escondia tudo, exceto o contorno mais nítido e até mesmo confuso, na melhor das hipóteses – além do que eu supunha serem olhos, tudo que eu podia ver era um ponto um pouco mais escuro na escuridão.

Agachado, peguei uma pedra e joguei na direção daqueles “olhos” – a pedra voou pelo ar e eu a perdi de vista na escuridão, mas eu juraria que minha mira estava ruim. Não atingiu nada; Acabei de ouvir quando a pedra caiu no cascalho. Os “olhos” na escuridão subiam e desciam levemente – o que quer que fosse, não tinha medo de mim e parecia estar se aproximando.

Lentamente, muito lentamente, peguei o estojo do fuzil, abrindo o zíper e tirando minha pequena .22. Puxei o ferrolho para cima e para trás e depois para frente e para baixo novamente. Enquanto eu fazia isso, a coisa se moveu novamente, os olhos voltando e um pouco mais baixos, como se estivesse se enrolando sobre si mesma – como um gato pronto para atacar. Movi meu polegar para desengatar a trava de segurança, coloquei o rifle firmemente em meu ombro e apontei para onde eu imaginei que o ponto central daquela coisa seria – um pouco mais de um pé abaixo de onde estava o brilho dos olhos.

“Não me faça usar isso!”, eu gritei novamente. “Apenas vá embora!”

Ouvi um som molhado, como um rosnado de um cachorro esmagando comida na boca – e apertei o gatilho.

PÁ!

O som do meu pequeno rifle parecia ensurdecedoramente alto, dividindo o silêncio da noite como um raio que divide o céu. Abaixei-o levemente, olhando por cima do cano em direção à coisa.

Ele sequer se moveu. Ficou ali, pronto para atacar.

“Aperte o ferrolho de volta”, pensei freneticamente comigo – “dê outra volta. Aponte novamente, aperte o gatilho – PÁ – trabalhe no carregador, mire, aperte o gatilho – PÁ! – de novo – PÁ! – Mais uma vez – PÁ! – NOVAMENTE!”

Click!

O martelo desceu sobre uma câmara vazia. Minha munição acabou, eu só tinha levado 5 cartuchos e não tinha nada para recarregar, não tinha contado com a necessidade de mais do que isso. A coisa mudou um pouco de posição, rosnando novamente enquanto se movia. O flash de seus olhos à luz do fogo desapareceu, e eu perdi de vista seu contorno. Abaixei meu rifle com as mãos trêmulas, alternando o aperto para agarrar o cano ainda quente como um taco, pronto para usar ele em qualquer coisa que fosse.

BAM! – algo sólido me atingiu nas costas e eu gritei enquanto girava no local, joguei o rifle para atingi-lo. Ele ‘voou’ pelo ar, sem atingir nada. Dei um passo para trás, respirando com dificuldade ao ver aquele brilho familiar no escuro, logo além da fronteira de onde a luz do fogo mostrava. Ele foi para atrás de mim em segundos, e eu não o ouvi se mover. Mas o que me atingiu? Olhei para baixo e, aos meus pés, estava uma bota de caminhada.

Olhei de volta para a coisa – ela não havia se mexido. Estava lá, me observando. Olhei para a bota, que não estava na melhor forma. O tecido estava rasgado e coberto de lama marrom avermelhada … – Espere um pouco – pensei, inclinando-me para pegá-lo. Eu mudei para mais perto do fogo para olhar mais de perto.

Sangue. A bota estava coberta de sangue seco.

A parte de trás do meu pescoço formigou loucamente e minha pele ficou arrepiada. Eu me encontrei de joelhos, respirando pesadamente enquanto murmurava: “Oh, merda … oh, merda …”

Eu olhei de volta para a coisa, que ainda não havia se mexido. Eu levantei e gritei: “O QUE VOCÊ QUER COMIGO!?”, mas não obtive resposta. Eu deixei cair a bota.

De repente tive uma ideia. Aproximei-me do fogo e vi um galho que estava com a ponta acesa. Puxei-o do fogo e me virei para encarar a coisa. Ela rosnou novamente quando eu peguei o galho, e de novo assim que eu o joguei em direção a ele.

O bastão em chamas iluminou a noite enquanto caía no ar em direção à coisa, e uma emoção horrorizada percorreu minha espinha quando peguei um vislumbre melhor do contorno dela, apenas por um segundo antes de se afastar da luz. Era enorme – grande como um urso, mas era magra ao invés de volumosa. Estava escuro, tão escuro que parecia se misturar na escuridão atrás dele. Tinha quatro pernas longas presas a um tronco irregular, mas não as usava quando se mexia – usava as frontais (braços?) para se empurrar na vertical sobre as pernas traseiras e depois dançava loucamente sobre elas enquanto corpo inteiro e ‘braços’ se sacudiram de um lado para o outro. Deus, era tão alto! Talvez um metro e oitenta de altura quando se movia com as pernas traseiras, e não ficava totalmente em pé.

As coisas que brilhavam à luz do fogo pareciam ser seus olhos, e a fração de segundo de seu rosto que consegui ver, foi suficiente para me fazer recuar horrorizado. Parecia quase … humano ? Humano, mas mortalmente errado – como se você pegasse o rosto de uma pessoa e esticasse para a frente, de modo que fosse longo, como a cabeça de um cavalo. A boca, porém, não era pequena como a de um cavalo, estendia-se de volta para onde o rosto encontrava o resto do crânio. A boca estava cheia de dentes podres, manchados de vermelho em alguns lugares. Acho que minhas pernas cederam então.

Eu me vi sentado no chão, abraçando meus joelhos e balançando para frente e para trás. O que diabos era essa coisa, e o que ela queria comigo? A bota manchada de sangue não me deu esperança de que aquilo fosse amigável.

Usei uma mão trêmula para pegar mais alguns paus da minha pilha de lenha e alimentar a fogueira. O que quer que fosse, não tinha aparecido na luz e se afastou quando o fogo se aproximou. Agradeci silenciosamente o fato de ter recolhido tanta madeira para a fogueira. Os olhos pararam de se mover de novo, e parecia que a coisa estava satisfeita em apenas sentar no escuro ficar me encarando. Eu olhei de volta, tentando pensar no que diabos eu ia fazer, e ficamos assim por um tempo, olhando um para o outro.

Em algum lugar não muito longe, um coiote uivou. Os olhos se voltaram na direção do uivo – estava farejando o ar?. Ele voltou a me encarar e … grunhiu? Qualquer que fosse o barulho, parecia insatisfeito de alguma forma. A coisa virou de novo e eu vi a mancha de um contorno se movendo no escuro em direção aos uivos. Em segundos, desapareceu de vista e, à medida que desapareceu, o fedor também foi junto.

Eu fiquei lá, congelado por um momento; e então, com um pulo, agarrei-me na mochila e balancei-a em um ombro, inclinei-me para pegar meu rifle e balancei-o pela alça no outro ombro, e depois hesitei, dilacerado pela indecisão. Atrevo-me a arriscar?

Apertei minha mandíbula e tentei engolir a crescente sensação de medo. Dei um único passo para longe do fogo, estremecendo quando o cascalho triturou sob o pé, o que parecia ensurdecedoramente alto no silêncio que foi quebrado apenas pelo fogo. Olhei em volta, músculos tensos com antecipação, mas não vi sinal da coisa. Dei outro passo – o cascalho triturou novamente – ainda não havia sinal daquilo. Eu relaxei um pouco, respirei fundo e comecei a caminhar rapidamente em direção à trilha. Assim que encontrasse, podia virar à direita e estava confiante o suficiente para segui-lo de volta ao estacionamento, mesmo no escuro.

Eu não dei mais do que meia dúzia de passos apressados ​​quando parei morto, congelado no lugar. Eu podia sentir o cheiro novamente, o fedor trazendo a bílis para minha garganta. Com o coração acelerado, virei minha cabeça levemente para a esquerda e vi aquele brilho no escuro.

A luz do fogo havia diminuído quando eu me afastei dele, mas eu ainda estava perto o suficiente para ver aquele reflexo familiar das chamas em seus olhos novamente – um estrondo saiu da escuridão – um rosnado? Deslizei meu pé da frente para trás, movendo-me lentamente de volta para a fogueira, sem tirar os olhos de onde a coisa parecia estar. Cheguei à fogueira, tirei minha mochila e a espingarda dos ombros, colocando-as no chão e me sentando ao lado delas.

Ao fazê-lo, ouvi o coiote uivar novamente. A coisa parecia grunhir, e então desapareceu na escuridão quando se afastou de mim. O que diabos eu ia fazer? Era como se a coisa estivesse brincando comigo – mas eu não correria o risco de correr novamente. De jeito nenhum eu queria que aquilo me pegasse no escuro. Parece que a escuridão estragou meu telefone e a lanterna quando ela apareceu, e qualquer tocha flamejante do fogo que eu pegasse queimaria inteira antes que eu conseguisse voltar para o meu carro. Eu ainda estava com meu isqueiro, mas não faria diferença suficiente para mantê-lo afastado.

O coiote começou a uivar mais uma vez, mas o uivo foi cortado rapidamente, transformando-se em um rosnado. Ouvi atentamente quando os rosnados ficaram doloridos e, em seguida, uivos desesperados, e prendi a respiração quando pararam, substituídos pelos sons de algo estalando, esmagando e respingando. Respirei fundo, ouvindo enquanto tentava desacelerar meu coração. Nada!

Mais uma vez, tudo que eu conseguia ouvir era o crepitar do fogo. Fechei os olhos para ouvir com mais atenção e gritei quando algo atingiu o chão ao meu lado; eu estava esperando ele pular e me agarrar. Eu corri alguns metros de distância e apenas fiquei lá hiperventilando, olhando para a pilha arruinada de pêlo cinza e sangue vermelho que estava na minha frente.

Era o coiote. Ou, o que restou do coiote; estava uma bagunça. Parecia que todos os ossos de seu corpo haviam sido pulverizados e suas pernas dianteiras estavam completamente ausentes, como se tivessem sido arrancadas em vez de cortadas ou picadas. O pior de tudo era que sua cabeça estava virada, totalmente para trás. O sangue escorria da boca aberta, acumulando gotas que atingiam o cascalho empoeirado com uma suave mancha.

Estremeci e abracei meus joelhos com força, balançando para frente e para trás ligeiramente. Este deve ter sido o coiote que eu ouvi antes. Oh merda – eu estava – onde estava agora?

Eu circulei no local, olhando para o escuro – lá! Do outro lado do fogo, logo depois da fronteira onde a luz terminava, aquele familiar flash duplo amarelo refletia em minha direção. Ainda estava me observando. “FODA-SE!”, eu gritei. Fui até o coiote morto, agarrei-o pelo rabo ainda quente e virei-o, afastando-o do fogo em direção à coisa. Ele caiu no chão não muito longe de onde a luz terminava. A coisa não se mexeu. Eu lutei para controlar minha respiração, chutando poeira sobre o pequeno pedaço de sangue que havia se acumulado onde estava o coiote. Olhei para minhas mãos e elas também estavam pegajosas de sangue; Peguei minha água e as lavei, passando minhas mãos nas calças para secá-las.

Ouvi um grunhido e me virei para ver um membro longo e incrivelmente fino chegando da sombra para pegar o coiote morto pela cauda, ​​arrastando-o lentamente para fora da luz. Era difícil ver qualquer detalhe – era quase como se estivesse irradiando a escuridão de si mesma – mas eu podia ver que parecia terminar em uma mão que novamente parecia humana, mas torta… Os dedos eram longos demais, e eles foram articulados em muitos lugares; parecia alguém estendendo a mão com uma coleção de pernas de tarântula na ponta de um graveto.

Soltava um som doloroso enquanto se mexia – talvez a luz doesse? O coiote desapareceu de vista, deixando marcas sangrentas de arrasto no pó, e ouvi sons horríveis de rasgões; Eu imaginei que a coisa estava rasgando e comendo. Os barulhos acabaram parando, e a coisa resmungou, mas parecia insatisfeita de alguma forma. Voltou a me encarar. O que quer que fosse, me queria, não apenas o coiote.

Peguei mais alguns galhos e joguei no fogo, depois me sentei e olhei para os olhos reflexivos no escuro. Não sei quanto tempo fiquei assim, devem ter se passado horas. Acendi o fogo mais algumas vezes e voltei a encarar a coisa. Ele grunhia ou rosnava de vez em quando, mas depois calava a boca – por enquanto, parecia satisfeito apenas em sentar e olhar. Eventualmente, eu descobri que minhas piscadas estavam ficando mais longas, que cada vez era mais difícil abrir os olhos novamente. Deus, eu estava tão cansado… o pico de adrenalina já havia desaparecido e eu me senti esgotado. Só um segundo, vou fechar os olhos por um segundo, pensei comigo mesmo, enquanto minha cabeça começava a cair para a frente.

Abri os olhos rapidamente e bem acordado com a emoção que percorreu minha espinha quando ouvi um “heh” molhado e gutural atrás de mim. Eu tinha adormecido! O fogo queimava baixo e na maior parte eram apenas brasas, apenas emitindo um brilho fraco – o suficiente para eu ver que a coisa se aproximava muito mais à medida que a luz diminuía. Eu devo ter cochilado por uma hora ou mais.

Pondo-me de pé, peguei alguns galhos da pilha e os joguei nos restos do fogo, depois freneticamente soprei nas brasas, tentando desesperadamente fazê-las voltar à vida. A luz brilhou novamente quando os galhos pegaram fogo e eu a vi sentada ali, muito perto – agachada nas ancas como um cachorro sentado; pernas longas e dobradas para cima, de modo que eu supunha que os joelhos estavam erguidos pelo formato de sua cabeça e os braços estendidos até o chão à sua frente, segurando o tronco na posição vertical. A luz brilhou de seus olhos quando mudou sua cabeça para me encarar novamente, e sibilou quando se empurrou para trás, recuando da luz. Quando o perdi de vista na escuridão, ouvi aquele som molhado novamente, como uma língua comprida batendo contra os lábios.

Eu estremeci. Desta vez, eu tinha conseguido ver melhor seus olhos na luz – eles estavam cheios de fome (e … dor?), Mas havia uma inteligência ali. Olhos humanos, não inteiramente os de um animal. Voltou a me olhar, só que desta vez não estava em silêncio. Ele continuou rosnando e grunhindo, e os barulhos que estava fazendo cresceram em volume e frequência, quase soou desesperado. Ele circulou o fogo, os olhos desaparecendo de vista e depois reaparecendo em outro lugar onde rosnava do escuro, mas nunca chegava à luz do fogo. Eu apenas esperava que meu estoque de lenha durasse um pouco mais – eu havia trazido muito, mas estava diminuindo neste momento.

Então, finalmente, a coisa fez um barulho que eu ainda não tinha ouvido – um assobio mais agudo do que qualquer outra coisa que ela havia feito – e olhou para o céu, antes de me encarar mais uma vez. Ele fez um tipo de barulho de nojo e depois se afastou. Ouvi o vento subir e pude sentir o cheiro de podre novamente, e de repente tudo acabou… sumiu.

À medida que a coisa ia embora, o cheiro e a escuridão sufocante sumiam junto – e eu percebi que podia ver claramente ao meu redor novamente! O céu tinha aquela cor azul escura e profunda que você vê antes do nascer do sol e eu podia ver algumas pontadas de luz que só poderiam ser estrelas. Tornou-se progressivamente cada vez mais leve até – lá! O sol apareceu no horizonte, e eu nunca fiquei tão feliz em ver a luz do dia como estava agora.

Eu esperei mais uma hora e meia, até o sol estar bem no céu e as coisas começarem a esquentar antes que eu ousasse me mexer. Peguei minhas coisas e saí dali. Estremeci quando passei pelos restos do coiote ou apenas um pedaço sangrento de pêlo cinza e ossos quebrados. Corri o tempo todo, sem parar, sem parar e sem olhar para trás. Toda vez que diminuía a velocidade, ouvia o vento apitar novamente e sentia o cheiro de algo podre, então aumentava o ritmo. Horas depois, eu estava quase pronto para desistir quando – ali, o início da trilha! Eu pude ver o estacionamento. Sem parar minha corrida, estendi a mão e puxei minha mochila, segurando-a em uma mão e embaraçando desajeitadamente a caixa de armas no meu outro braço enquanto procurava as chaves do carro.

Eu me atrapalhei procurando as chaves, mas finalmente consegui. Abri a porta, joguei minhas coisas do outro lado e me atirei no banco do motorista, com ambas as mãos segurando o volante com um aperto de mão bem forte. Eu me olhei no espelho retrovisor e fiquei surpreso com a figura abatida e de olhos selvagens que me encarava. Havia muita poeira cobrindo meu rosto e percebi que estava chorando de alívio desde que consegui ver o fim da trilha.

Olhei de volta para onde a trilha começava e vi a poeira do caminho subir quando o vento voltou soprar. Eu apressadamente girei as chaves na ignição. Liguei o motor, engatei o carro, dando uma volta rápida e descendo para a estrada. Enquanto eu corria de volta para a cidade, não sosseguei meu coração e minha respiração até que estivesse na estrada principal.

Poucas horas depois (menos tempo do que o necessário para dirigir até lá, eu não estava cumprindo o limite de velocidade) eu estava em casa, com as portas trancadas e a luz do sol entrando pelas janelas. Meu telefone ligou depois que eu o conectei ao carregador – então, enviei uma mensagem para minha irmã para que ela não ligasse para busca e salvamento. Um dia depois, liguei para o serviço de parques e disse a eles que havia sido perseguido por alguns leões da montanha na trilha, e eles removeram a área da seção de informações do site deles (ninguém nunca foi lá, disseram eles) . Não mencionei o carro abandonado ou a bota ensanguentada e não contei a ninguém o que realmente havia acontecido, afinal, quem teria acreditado em mim se eu contasse? Não havia sentido em colocar mais alguém em perigo.

Mais tarde, comecei a ler sobre alguma lenda ou folclore local, mas parei rapidamente, pois me deparei com algo que me fez começar a tremer com a descrição. Tenho certeza de que agora sei o que era, mas decidi que não iria mais investigar e tentaria tirar tudo da minha cabeça. Realmente não funcionou, minha respiração fica presa na garganta toda vez que entro em um quarto escuro enquanto procuro um interruptor de luz.

Eu não ando mais como antigamente. Se eu faço caminhadas, é estritamente ao longo de trilhas bem usadas, e eu nunca, nunca pernoito. Meu encontro me deixou com muitas perguntas não respondidas. Apenas uma pergunta fica martelando na minha mente, mas não tenho muita certeza se quero saber a resposta:

Se essa coisa sobre a qual eu li é real, o que mais é real e se esconde no escuro?

História de Terror escrita por por Daniel Martins

Leia Mais Histórias de Terror Assustadoras
Mundo Sombrio

Mundo Sombrio

Histórias de Terror, Lendas Urbanas, Creepypastas, Relatos Sobrenaturais, Vídeos e muito mais. Mundo Sombrio: O Melhor do Terror para Você!