Lua Cheia

lua cheia história de terror

O entardecer vem pacífico, o céu rubro anuncia a morte de mais um dia. Desligo o carro. O motor não mais monopoliza minha audição. O som dos grilos, em outra época tão tranquilizador, irrita-me. Irritação de uma vida gasta, irritação de uma vida perdida.

Abro a porta e desço apoiando-me na coluna, movimento fácil, movimento de repetição, movimento doloroso de um deficiente. O peso de meu corpo maltratado joga-se contra membros, cuja inervação restante lembra e relembra: um tempo de saúde, de vigor, sem claudicação.

Fecho a porta com um balanço de quadril e abro o porta-malas. Algemas, uma larga e pesada corrente com elos soldados e um cadeado. Não os usarei… Não mais…

Tiro as minhas roupas lentamente, meu corpo despido respira aliviado. O vento fresco me acaricia, a mãe natureza me recebe como filho perdido.

A trilha está quase dominada pelo mato que não se intimida, ando devagar, pois não sinto os pés. Não que um tombo me machucasse, pelo menos não fisicamente, mas ando preservando o pouco orgulho que me resta.

Passo ao lado de um pé de capim cidreira, esbarro nele de propósito, o cheiro me envolve, cheiro do chã servido numa noite fria, de uma cama fofa, da reza antes de fechar os olhos agradecendo a um Deus amoroso, do beijo materno e carinhoso na testa, o aroma de uma infância perdida.

Prossigo, o coração magoado e cansado, cansado das falsas gentilezas, de regras e mais regras criadas para serem quebradas, da maldade elaborada, da ganância e da usura dos homens, da sexualidade contaminada, da cobiça, da inveja, das mentirosas verdades.

O caminho deixa de existir, mata, mata fechada, passo como se estivesse em rua larga, não toco, não sou tocado, não faço barulho, sou parte desse caos verde e ordenado.

Percorro os três quilômetros, o Sol está sepulto. Chego onde há cinco anos me prendo, uma formação rochosa em forma de gruta, ao seu lado a água passa em volume e fúria, gritando que nada a impede, pois se molda, ajusta-se, não conhece obstáculo.

A noite é franca, a noite é clara, a noite é da lua volumosa que desperta em força e vida. Senhora de minha sina, libertadora de meus grilhões humanos.

Sinto sua magia em cada célula de meu corpo, a transmutação começa, não sou mais medo, ansiedade, desejo. Sou a criança noturna que pede a grande mãe seu túrgido peito.

Minha coluna curva-se em mim, minhas costelas estalam com despeito, minha visão escurece e, por encanto, no escuro tudo vejo. Milhares de sons e cheiros me alcançam, onde havia pele, pelos pretos. Meu odor muda, sou almíscar, sou vegetação, sou sangue de minhas presas. Dentes obsoletos dão lugar a presas marmóreas e afiadas, abandono a posição em pé, sinto-me melhor de quatro, em duas mãos e dois pés, que agora são fortes patas. A dor da mudança se afoga em garganta sem cordas vocais e explode em uivo que ecoa por quilômetros, saúdo-me e saúdo a Lua.

Não sou eu, mas finalmente sou eu mesmo, sou a fera faminta.

É hora da caçada.

História de Terror escrita por autor Desconhecido

Leia Mais Histórias de Terror Assustadoras

COMPARTILHE ESSE POST

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

A crise econômica causada pelo COVID-19 causou uma queda maciça nas nossas receitas publicitárias. Por favor, considere mostrar seu apoio através de uma pequena doação em PayPal. Sua doação ajudará este site a continuar online nesses momentos difíceis e, dessa forma, continuar fornecendo a vocês conteúdos interessantes regularmente. Abraços Sombrios!

error: Alert: Esse conteúdo está protegido!