Sem Olhos

Fiquei acordada até tarde assistindo uma maratona de filmes com minha irmã. No meio da noite, depois que minha irmã adormeceu, vi o mouse do computador se mexer sozinho. Chamei a minha irmã para contar a ela e ela me disse que poderia ser algum animalzinho puxando o cabo, que era para deixa-la dormir pois aquilo não deveria ser nada. De repente, uma figura negra apareceu atrás da porta, virou-se, apontou para mim e deu um grito. Aquela coisa desapareceu e o armário começou a balançar, a porta se fechou com muita força e fez um barulho muito alto.

Meses depois do acontecido, certo dia, minha irmã me encontrou desmaiada no meio da floresta dizendo que eu estava falando em outro idioma e que não parava de rir.

Assim que chegamos em casa, resolvi ir me deitar para dormir. Foi quando algo me jogou de cima da cama e me atacou. Certo tempo depois aquilo desapareceu.

Eu estava com tanto medo que não conseguia mais dormir. Tudo parecia tão real que, no dia seguinte, senti muita dor pelo meu corpo.

Alguns dias depois, minha mãe me ligou e me disse que tinha más notícias: minha tia infelizmente havia falecido já tinha alguns meses. Não se sabe como, mas era muito estranho.

Já era noite e minha mãe foi dormir. Acordou rapidamente com alguém a agarrando pelos tornozelos e puxando-a para fora da cama, mas ela jurava que era apenas um sonho ruim.

Tempos depois, resolvi passar um um fim de semana na casa do meu avô. Eu estava deitada no sofá e, de repente, adormeci. Assim que acordei, já era noite e vi a silhueta de uma mulher olhando para mim.

Leia Também:  A Mão da Glória

Eu não podia acreditar no que estava vendo e, assustada, chamei a minha mãe, eu disse a ela o que tinha acontecido. Ela não me levou a sério e me disse que era apenas um pesadelo. Mas eu realmente sei o que vi, era muito real.

Fui até o quarto de minha mãe, e aquela mulher estava lá. Usava uma camisola preta e tinha cabelos curtos. Dessa vez minha mãe também a viu. Ela estava parada em frente ao espelho, olhando-nos de lado. Então se virou e pudemos ver seu rosto: ela não tinha olhos. Era minha tia.

Outra vez, acordei de repente e a vi, sentada no sofá. Ficamos ali, olhando uma para a outra por um longo tempo. Depois disso, ela levantou o braço, abriu a mão e, desaparecendo, deixou cair algo no chão. Era um bilhete, e nele estava escrito:

Devolvam os meus olhos

História de Terror escrita por @lill.ithdearo, traduzida e adaptada por Mundo Sombrio.

COMPARTILHE ESSE POST

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr

RECOMENDADOS PARA VOCÊ

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Posts Recentes

O Contrato

A cláusula era bem clara: deveria terminar o conto até o final do mês. Escritor experiente e renomado, apesar de

Leia Mais
Scroll Up