Enterro Celestial: o funeral tibetano com cemitério a céu aberto

por Mundo Sombrio
2,2K visualizações

Enterro celestial é um rito fúnebre em que um corpo humano é posicionado no cume de uma montanha para passar pelo processo de decomposição, ficando exposto aos elementos ou destinado a servir de alimento para animais, especialmente aves necrófagas. Essa prática específica é uma forma de escarnação. É comumente realizada na região autônoma chinesa do Tibete e nas províncias de Qinghai e Sichuan, além da Mongólia Interior. Também é praticada em locais como Mongólia, Butão e em regiões da Índia ao longo dos Himalaias, como Sikkim e Zanskar.

Os locais de preparação e execução do enterro celestial são delineados nas tradições do Budismo Vajrayana. Práticas semelhantes são encontradas na religião zoroastrista, onde o corpo é exposto aos elementos e às aves de rapina em estruturas de pedra chamadas Dakhma (Torres do Silêncio). Devido à discriminação, marginalização, urbanização e redução da população de abutres, poucos lugares continuam a adotar essa prática.

Mount everest as seen from drukair2 plw edit • mundo sombrio

A maioria dos tibetanos e muitos mongóis segue o budismo vajrayana, que ensina a transmigração dos espíritos. Não há a necessidade de preservar o corpo, pois ele se torna um recipiente vazio. As aves podem consumi-lo, ou a natureza pode promover sua decomposição. O propósito do enterro celestial é proporcionar a destinação mais generosa possível aos corpos, conforme indica o nome original tibetano. Em grande parte do Tibete e de Qinghai, o solo é demasiado duro e rochoso para cavar covas, tornando os enterros celestiais mais práticos que a cremação, a prática budista tradicional. Com o avanço da tecnologia e as dificuldades associadas aos enterros celestiais, a cremação tornou-se mais comum entre as pessoas comuns.

Outros povos, como georgianos, abecazes e adyghes no Cáucaso, adotavam práticas semelhantes, depositando os corpos em troncos ocos de árvores.

História e Evolução do Enterro Celestial

Os enterros celestiais tibetanos parecem ter se desenvolvido a partir de antigas práticas de escarnação, conforme revelado por descobertas arqueológicas na região. A maior parte do Tibete está situada acima da linha de árvores, tornando a cremação economicamente inviável devido à escassez de madeira. Além disso, a camada ativa do solo é superficial, com rocha sólida ou permafrost abaixo da superfície.

0 ef76e d9791a0f orig • mundo sombrio
Enterro Celestial

Essa prática foi inicialmente registrada em um tratado budista do século XII. Durante a Revolução Cultural nas décadas de 1960 a 1980, os enterros celestiais foram proibidos na China, sendo considerados uma superstição primitiva e um problema sanitário pelos governos comunistas. Nesse período, muitos templos foram fechados, e a prática foi discriminada, levando a um aumento de corpos simplesmente enterrados ou jogados em rios. Apesar disso, a prática persistiu em áreas rurais e, mais recentemente, recebeu reconhecimento oficial, embora esteja em declínio devido a restrições urbanas e à diminuição de abutres em áreas rurais.

Propósito e Significado do Enterro Celestial

Para os budistas tibetanos, o enterro celestial e a cremação servem como ilustrações da impermanência da vida. Considera-se um ato generoso em relação ao falecido, pois tanto o falecido quanto seus parentes contribuem fornecendo alimento para sustentar a vida. Essa generosidade e compaixão por todos os seres são valores fundamentais no Budismo.

Preparação do Enterro Celestial Tibetano

Um enterro celestial tradicional, conhecido como jhator, é realizado em locais designados no Tibete. O Mosteiro de Drikung é um dos principais locais para essa prática. O procedimento ocorre em uma grande rocha plana, geralmente em um terreno mais elevado que o entorno. Pode ser simples, consistindo apenas de uma pedra, ou mais elaborado, incluindo templos e estupas (chorten em tibetano).

Os familiares podem permanecer nas proximidades durante o jhator, possivelmente em um local onde não possam ver diretamente o processo. O jhator geralmente ocorre ao amanhecer e envolve um procedimento elaborado e dispendioso. Aqueles que não podem arcar com os custos simplesmente colocam os falecidos no topo de uma rocha, onde o corpo se decompõe ou é consumido por aves e outros animais.

Procedimentos

Conforme a maioria dos relatos, os abutres consomem todo o corpo. Posteriormente, quando apenas os ossos restam, estes são quebrados com marretas, triturados com tsampa (farinha de cevada com chá e manteiga de iaque ou leite) e oferecidos aos corvos e falcões que aguardam após os abutres.

Ritual budista em um enterro celestial mundo sombrio

Os participantes podem incluir monges entoando mantras ao redor do corpo antes do procedimento, queimando incenso de junípero. O processo de desmontagem do corpo pode ser conduzido por um monge ou, mais comumente, por rogyapas, também conhecidos como “quebradores de corpos”. Relatos indicam que esses indivíduos realizam a tarefa de maneira descontráida, conversando e rindo como em qualquer trabalho braçal. De acordo com os ensinamentos budistas, essa abordagem facilita a transição da alma do falecido do plano incerto entre a vida e a morte para a próxima existência.

Alguns relatos referem-se aos praticantes dos enterros celestiais como “tokden”, que significa “mestre de funerais celestiais” em tibetano. Embora desempenhem um papel crucial nos rituais mortuários, esses indivíduos muitas vezes têm baixo status social e, em alguns casos, são remunerados pelas famílias dos falecidos.

Desmontagem do corpo

A espécie envolvida no ritual é o abutre-fouveiro, pertencente à ordem Accipitriformes, família Accipitridae, com nome científico Gyps fulvus.

Abutre no ecossistema • mundo sombrio
Abutre-fouveiro

Em locais onde ocorrem vários enterros celestiais diariamente, as aves às vezes precisam ser incentivadas a comer, o que pode envolver um ritual de dança. É considerado um mau presságio se os abutres não se alimentam, ou se mesmo uma pequena porção do corpo é deixada após a refeição das aves. Isso é interpretado como indicativo de que o indivíduo falecido cometeu muitos pecados, tornando seu corpo impróprio para consumo, ou que a família não seguiu corretamente os rituais.

Enterrro tibet • mundo sombrio

A prática do enterro celestial difere da crença zoroastrista, que preconizava que os corpos mortos deveriam ser colocados em estruturas dedicadas para serem consumidos por aves de rapina, evitando inumações ou incinerações que poderiam contaminar água e solo, algo proibido nessa religião.

Veja um desses momentos abaixo

Siga-nos no Instagram e no Facebook também!

Escolhidos Para Você

Deixe um Comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados pelo Mundo Sombrio.

[email protected]

Mundo Sombrio © 2015 Todos os Direitos Reservados

Bloqueador de Anúncios Detectado

Os anúncios nos ajudam a manter o site no ar e trazer sempre mais terror para vocês. Por favor, desative o seu bloqueador de anúncios!