Dona Clemência

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Dona Clemência história de terror mundo sombrio

Uma velha mulher de talvez seus 80 anos de idade ou mais , era bem conhecida na região por ser uma “curandeira”, chamava-se Dona Clemência (Dona Clemenza). Curava, benzia, tinha uma reza para cada caso, inclusive para maus comportamentos e também vícios. Fumantes, alcoólatras e pessoas com quaisquer outros males, eram seus “clientes”. Até crianças malcriadas e muito levadas eram levadas até ela por suas mães para que, com suas rezas melhorassem o comportamento, já que com a cinta não adiantava.

Ninguém sabia realmente qual era o seu método, ela não permitia que as pessoas vissem o seu trabalho, apenas aquele que iria ser “benzido”. Este, entrava com ela no seu “escritório”, num cômodo da casa e depois saía SÃO e não se lembrava de nada do que havia acontecido dentro do recinto. Mas saía com a certeza de ter deixado todo o mal naquele lugar.

Dona Clemência nunca cobrava nada pelo tratamento. Dizia ela que não precisava de dinheiro e que este trabalho lhe dava o suficiente para comer.

Certo dia, um homem veio à sua casa com o seu filhinho de cerca de 9 anos. O pai referiu a Dona Clemência que precisava de sua ajuda. Seu filho estava agindo diferente ultimamente. Estava malcriado, respondão, falando palavrões, brigando e não prestava atenção em nada, além de muito mentiroso. Até afanando as coisas alheias o moleque estava.

— Poderia ajudar-me com isso Dona Clemência? — Referiu o pai esperançoso do menino.

Dona Clemência não disse uma palavra. Naquele momento, apenas olhou para a criança com seu olhar penetrante a analisá-lo, como quando um mecânico se prepara para reparar um carro.

— Criança, vem comigo!

Dona Clemência tomou o menino pelo braço, arrastando-o para um cômodo da casa. Ele lutou e gritou pedindo ajuda ao seu pai para que não fosse levado para o quarto onde estaria a sós com a velha, mas o seu pai pouco podia fazer . Foi então que a velha, arrastando o menino disse:

— Não importa o que ouvir, não entre aqui entendeu? Não se atreva a interromper-me!

Depois destas palavras, a porta foi fechada firmemente. O pai nervoso e com um pouco de medo do que acabara de ouvir, aguardava ansioso.

Passados alguns minutos de silêncio absoluto, o pai sentou-se numa poltrona, olhando para o chão pensativo. Por mais que tentasse, não conseguia imaginar o que a velha poderia estar a fazer com o seu filho ali dentro.

De repente alguns gritos atormentadores saíram da sala. Era o seu filho que os produzia, parecia que algo lhe estava a ser arrancado das tripas. Eram gritos horríveis! O pai como tal, a sua primeira reação foi correr para a porta, mas ele lembrou-se do que Dona Clemência lhe disse e parou. Os gritos de dor do seu filho mudaram para algo que soava a várias vozes, gritos de pessoas diferentes, vozes que já não soavam como a do seu filho e depois, silêncio total…

Após alguns minutos, Dona Clemência saiu com a criança nos braços, desacordada. O pai saltou para ver como ele estava.

— Como está o meu filho? O que é que lhe fizeram?

Dona Clemência respondeu:

— Seu filho vai ficar bem, basta deixá-lo descansar um momento antes de partir. Não foi fácil curá-lo, mas eu o fiz!

O pai não compreendeu bem as suas palavras, mas viu a velha tirar da sala três sacos pretos, de tamanho médio, fechados, que claramente pareciam conter algo dentro. Algo que estava a lutar para sair como um gato dentro de um saco, mas pelo som que estavam a fazer e os movimentos, certamente não eram animais de estimação.

Dona Clemência estava a lutar para segurar os três sacos e, de repente, um deles rasgou-se, revelando uma pequena garra que saía da boca do saco.

— O que são essas coisas? Precisa de ajuda? — Perguntou o pai.

— NÃO, NÃO, vai-te embora! — Respondeu rispidamente a velha — Estes, são os que estavam dentro do teu filho, os que lhe causaram tantos problemas. Leva o teu filho e vai-te embora daqui, eu trato do resto.

O pai não fez mais perguntas e deixou o lugar, onde Dona Clemência ficou a bater nos sacos com um enorme pedaço de madeira para matar o que quer que estivesse lá dentro.

No dia seguinte, o pai do menino foi a casa de Dona Clemência a fim de agradecer-lhe pela forma como o seu filho tinha mudado tão radicalmente. Já comportava-se melhor e voltara a ser como dantes, até melhor e mais prestativo.

Chegando à casa da senhora, encontrou-a na cozinha preparando o seu almoço.

— Desculpe interrompê-la, mas vim agradecer e lhe trazer este dinheiro — Disse o pai.

Dona Clemência olhou-o seriamente e pôs-se a mexer novamente a panela dizendo:

— Não preciso do seu dinheiro, o que faço no dia a dia para vocês, me basta para comer.

O pai ia insistir, mas foi quando a velha fez um movimento brusco com a colher na panela e o homem reparou no conteúdo da mesma. Era a mesma garra que vira saindo daquele saco preto. O homem resolveu então se calar, desculpou-se e foi se retirando. Quando estava já alcançando a porta, Dona Clemência disse olhando-o com um meio sorriso naquele rosto enrugado:

— Sei que o senhor tem o terrível vício de fumar e que não consegue largar. Sei que anda doente e com falta da ar. Quando vem me ver para resolvermos isso? — E soltou uma sonora gargalhada.

O homem assustou-se, pois como ela saberia daquilo? Então foi-se embora correndo dali.

Passados uns dias, com aquelas palavras da velha na cabeça e seu estado de saúde piorando, o homem pensou “Porquê não?” e dirigiu-se temeroso a casa de Dona Clemência. Lá chegando, a mesma sentada em sua cadeira de balanço disse:

— Entre… estava lhe esperando! — A velha lhe falou já apontando aquele cômodo da casa.


ESCRITO POR: Silvia Restani

Leia Mais Histórias de Terror Assustadoras
Mundo Sombrio

Mundo Sombrio

Histórias de Terror, Lendas Urbanas, Creepypastas, Relatos Sobrenaturais, Vídeos e muito mais. Mundo Sombrio: O Melhor do Terror para Você!