Início LendasLendas Japonesas A Escola à Noite

A Escola à Noite

por Mundo Sombrio
3 comentários 350 visualizações
A Escola à Noite lenda japonesa mundo sombrio

A Escola à Noite é uma lenda urbana japonesa de terror sobre escolas que são assombradas porque foram construídas em cima de cemitérios antigos. Eles chamam de “Gakkou no Kaidan” ou “histórias de fantasmas da escola”. Essas lendas urbanas também são conhecidas como “7 Mistérios das Escolas Japonesas”.

Anos atrás, no Japão, havia uma necessidade urgente de novas escolas. Havia rumores de que o governo precisava encontrar terras baratas nas quais pudessem construí-las e, por isso, as cercaram nos locais dos antigos cemitérios. Isso deu origem a rumores e fofocas entre as crianças de que suas escolas eram assombradas.

Dizem que se você for à sua escola à meia-noite, verá e ouvirá muitas coisas estranhas, como uma vela flutuando pelo terreno da escola, passos desencarnados ecoando pelos corredores e estátuas com olhos que o seguem quando você passa. Na sala de ciências, o esqueleto anatômico ganha vida, você ouve o som de uma bola invisível quicando no ginásio e pode até ver uma cabeça fantasmagórica cortada voando pelas salas de aula.

Se você atravessar o pátio da escola, mãos fantasmagóricas emergirão de baixo e tentarão arrastá-lo para dentro da terra. Se você cavar nas dependências da escola, desenterrará lápides e túmulos. Se você nadar na piscina, mãos fantasmagóricas agarrarão suas pernas e tentarão afogá-lo. Edifícios antigos aparecem nos terrenos da escola e há escadas que levam a lugar nenhum. Se você subir, você desaparecerá. Dizem que um dos sanitários nos banheiros é assombrado e, se você entrar nele, uma corda cairá do teto em forma de laço.

Em uma pequena cidade do Japão, havia um grupo de adolescentes que ouviram rumores sobre a escola. Segundo a lenda, se você fosse à escola à meia-noite do dia 15 do mês, coisas estranhas aconteceriam.

Havia uma estátua no caminho que levava à escola e seus olhos supostamente o seguiriam quando você passasse. Se você subisse as escadas principais, o número de degraus seria diferente quando você descesse. Se você abrisse as torneiras do laboratório de ciências, sangue sairia em vez da água. E se alguém ousasse entrar na última baia no banheiro no térreo, essa pessoa nunca mais seria vista viva novamente.

Alguns meninos decidiram ir à escola à noite para testar se as lendas eram verdadeiras ou se eram apenas histórias. No dia 15 do mês, eles saíram às escondidas de suas casas e se encontraram exatamente à meia-noite. Havia quatro deles no total: Shinichi, Mikio, Takashi e Hiro.

Leia Também:  Kokkuri-san: Conheça o Tabuleiro Ouija Japonês

Enquanto atravessavam os portões da escola e subiam o caminho, os meninos encaravam a estátua, esperando que algo acontecesse. Os olhos da estátua estavam olhando para a esquerda e, mesmo quando os meninos passavam, os olhos não se mexiam nem um centímetro.

“Tanta coisa por essa lenda estúpida”, um dos meninos falou gargalhando.

Eles entraram no prédio da escola e subiram as escadas cautelosamente, contando cada degrau. Um, dois, três… Havia treze degraus no total. Quando voltaram, ainda havia treze degraus.

“Outra história de velhos”, disse um dos meninos.

Desceram o corredor até o laboratório de ciências e abriram todas as torneiras. Em vez de sangue, tudo o que jorrava era água. Eles deixaram escapar um suspiro decepcionado.

“Eu sabia”, disse um dos meninos. “Viemos aqui em vão.”

Eles decidiram testar mais uma lenda antes de voltarem para casa e foram ao banheiro no térreo. No entanto, quando chegaram à porta dos banheiros, alguns dos meninos perderam a coragem. Embora tivessem conversado animadamente sobre o assunto, nenhum deles parecia ter pressa de entrar na baia assombrada.

Finalmente, um garoto, Shinichi, deu um passo à frente e disse aos outros que não tinha medo de nada. Ele abriu a porta e entrou no banheiro, enquanto seus amigos esperavam do lado de fora. Os meninos olharam para o relógio. Eram exatamente 1 da manhã.

Um minuto depois, Shinichi saiu do banheiro com um sorriso no rosto.

“Nada!” ele disse. “São apenas um monte de histórias infantis e contos de fadas!”

Todos os meninos riram e foram embora. Antes de sair, eles deram uma última olhada na estátua, mas seus olhos ainda estavam olhando para a esquerda.

“Que decepção”, um dos meninos sussurrou com desdém e todos foram para casa.

Na manhã seguinte, cada um dos meninos recebeu um telefonema preocupado da mãe de Shinichi.

“Shinichi estava com vocês ontem à noite?” ela perguntou aflita. “Ele não estava no quarto dele quando fui acorda-lo agora pela manhã. Ele saiu escondido e ainda não voltou para casa. Onde ele está?”

Os meninos sentiram que algo estava errado. No final, eles decidiram contar aos pais sobre a pequena viagem que haviam feito na noite anterior. Seus pais entraram em contato com o diretor da escola e logo os adultos, as crianças e o diretor estavam se reunindo fora da escola.

Leia Também:  Toire no Hanako-san [Lenda Japonesa]

“O que vocês estão dizendo?” o diretor da escola perguntou. “Vocês estão falando da estátua do lado de fora da escola? Os olhos daquela estátua sempre olhou para a direita.

“Mas quando estávamos aqui ontem à noite, eles estavam olhando para a esquerda!” um dos meninos exclamou.

Ao entrar no portão, todos ficaram chocados ao ver que os olhos da estátua estavam realmente olhando para a direita.

“Mas e os degraus da escada principal?” um dos meninos começou a chorar.

Todos correram rapidamente para a escada e contaram os degraus.

“Um, dois, três … DOZE ?!”

“Sim”, disse o diretor da escola. “A escada sempre teve doze degraus. Quando estava sendo construído, os arquitetos cometeram um erro no design. Deveriam ter treze degraus.

“Isso é impossível!” um dos meninos gritou. “Mas e as torneiras do laboratório?”

Entrando no laboratório de ciências, todos olharam para as pias. Cada uma deles estava coberto por uma mancha vermelha escura. Os meninos estavam dormentes de medo.

“Mas … mas … e Shinichi?” um dos meninos murmurou. “Ele foi ao banheiro …”

“Vamos ver”, disse o diretor da escola em voz grave.

Todos se reuniram do lado de fora dos banheiros. Os meninos e seus pais se entreolharam nervosamente. O diretor respirou fundo, estendeu a mão e abriu a porta.

A mãe de Shinichi soltou um grito de gelar o sangue e desmaiou. Os outros recuaram horrorizados e alguns deles não puderam deixar de vomitar por todo o chão.

O cadáver de seu amigo Shinichi estava pendurado no teto com uma corda enrolada no pescoço. Seu rosto estava mortalmente pálido e seus olhos estavam bem abertos, congelados em um olhar de horror. Sua garganta foi cortada de orelha a orelha e todo o sangue foi drenado para fora de seu corpo, cobrindo o chão com uma poça de vermelho escuro. Seus órgãos internos e intestinos foram removidos. Eles estavam caídos em uma pilha arrumada no chão banheiro.

Um dos meninos estava em choque. Ele estava olhando, sem piscar, o relógio no pulso de Shinichi. Ele parou exatamente às 1h da manhã.

Você também pode Gostar

3 comentários

Marcos Printes 20 de abril de 2020 - 10:23

Muito boa, gostei muito. Dou um grande fã da cultura japonesa e claro, conheço a maioria dessas histórias e posso dizer que essa foi bem legal de se ler.

Responder
Mundo Sombrio 20 de abril de 2020 - 10:41

Muito obrigado por seu comentário e por sua presença Marcos! Continue sempre conosco! Abraços Sombrios!

Responder
Yasmim neles 27 de abril de 2020 - 14:48

Muito boa gostei muito

Responder

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alert: Esse conteúdo está protegido!