Graham Young: A Mente Fantástica do Envenenador da Xícara de Chá

Graham Young A Mente Fantástica do Envenenador da Xícara de Chá mundo sombrio

Graham Young nasceu em Neasden em Middlesex em 7 de setembro de 1947. Sua mãe morreu alguns meses após seu nascimento. Ele foi enviado pelo pai para morar com um tio e uma tia, enquanto sua irmã mais velha foi morar com seus avós. Alguns anos depois, ele foi separado de seus tios para viver com seu pai e sua nova esposa.

Ele era fascinado desde cedo por venenos e seus efeitos. Em 1959 Young passou dos onze anos e foi para a escola de gramática.

Em 1961, ele começou a testar venenos (incluindo antimônio) em sua família, o suficiente para deixá-los violentamente doentes. Sua madrasta, Molly Young, de 37 anos, tinha sofrido de vômitos, diarreia e dores de estômago excruciantes, que ela inicialmente descartou como ataques biliosos.

Em pouco tempo, seu pai Fred, 44, também começou a sofrer com cólicas estomacais semelhantes que o debilitaram por dias. A irmã dele também ficou muito doente em algumas ocasiões naquele verão. Pouco depois, o próprio Young adoeceu.

Pareceu até que o inseto misterioso havia se espalhado para além de sua casa: um casal de amigos de escola do garoto também não foram às aulas na escola por estarem doentes com sintomas dolorosos semelhantes.

Graham Young A Mente Fantástica do Envenenador da Xícara de Chá mundo sombrio
Graham Young o Envenenador da Xícara de chá quando criança.

Em novembro de 1961, Winifred Young recebeu uma xícara de chá de seu irmão certa manhã, mas achou seu gosto tão azedo que ela tomou apenas um gole antes de jogar o resto fora. Enquanto estava no trem para trabalhar uma hora depois, ela começou a alucinar, teve que ser ajudada e acabou sendo levada ao hospital, onde os médicos chegaram à conclusão de que ela tinha sido de alguma forma exposta à venenosa Atropa belladonna.

Fred Young confrontou seu filho, mas Graham culpou Winifred, a quem ele alegou ter usado as xícaras de chá da família para misturar xampu. Não convencido, Fred vasculhou o quarto de Graham, mas não encontrou nada incriminador. No entanto, ele alertou seu filho para ser mais cuidadoso no futuro ao “mexer com esses produtos químicos sangrentos”.

No sábado de Páscoa, 21 de abril de 1962, a madrasta de Young, Molly, morreu envenenada e pouco depois seu pai ficou gravemente doente e foi levado para o hospital onde foi informado que ele estava sofrendo de envenenamento por antimônio e mais uma dose o teria matado.

A tia de Young, que sabia de seu fascínio por química e venenos, ficou desconfiada, assim como seu professor de ciências (Sr. Hughes), que descobriu várias garrafas de veneno na mesa de Young e falou com o diretor da escola sobre suas preocupações. Young foi enviado a um psiquiatra, que recomendou entrar em contato com a polícia.

Leia Também:  Patty Cannon: Sequestradora e Assassina de Escravos Livres

Young foi preso em 23 de maio de 1962 e confessou as tentativas de assassinato de seu pai, irmã e amigos. Os restos mortais de sua madrasta não puderam ser analisados porque ela havia sido cremada, o que foi sugerido por Graham, e na época sua morte não foi tratada como suspeita, mas sim como resultado de complicações de ferimentos sofridos em um acidente de trânsito.

Young foi detido sob a Lei de Saúde Mental no Hospital Broadmoor, uma instituição para pacientes com transtornos mentais que cometeram crimes, depois de ter sido avaliado por dois psiquiatras antes de seu julgamento e diagnosticado como sofrendo de um transtorno de personalidade, e também esquizofrenia (classificada pela lei então como transtorno psicopático como estava ligada à violência anormal). Ele era o preso mais jovem de Broadmoor desde 1885.

Análises subsequentes também sugeriram sinais do espectro do autismo (cf Bowden 1996).

Sua detenção estava sujeita a restrição especial, o que significa que a posterior dispensa, licença etc. teria que ser aprovada pelo Ministro do Interior. A Ordem Hospitalar inicialmente estipulava que ele deveria ficar detido por pelo menos 15 anos. Mais tarde, o Secretário de Estado observou que os delitos de índice, para alguém considerado são, levavam uma pena de não mais do que sete ou oito anos.

Young foi solto após nove anos, considerado “totalmente recuperado”.

Em junho de 1970, após quase oito anos em Broadmoor, Edgar Udwin, o psiquiatra da prisão, escreveu ao Ministro do Interior para recomendar sua libertação, anunciando que Young “não está mais obcecado com venenos, violência e travessuras”.

No entanto, no hospital, Young havia estudado textos médicos, melhorando seu conhecimento sobre venenos, e continuando experimentos usando detentos e funcionários (um dos quais morreu). Havia rumores de que seu conhecimento de venenos era tal que ele poderia até mesmo extrair cianeto de folhas de louro no terreno do hospital psiquiátrico e que ele usou este cianeto para assassinar o companheiro de prisão John Berridge.

Após ser liberado do hospital em fevereiro de 1971, ele começou a trabalhar no John Hadland Laboratories em Bovingdon, Hertfordshire, perto da casa de sua irmã em Hemel Hempstead. A empresa fabricava lentes infravermelhas de brometo de tálio, que eram usadas em equipamentos militares.

No entanto, nenhum tálio foi armazenado no local, e Young obteve seus suprimentos do veneno de um químico londrino. Seus empregadores receberam referências como parte da reabilitação de Young de Broadmoor, mas não foram informados de seu passado como um envenenador condenado. O oficial de condicional de Young nunca visitou a casa ou o local de trabalho dele.

Leia Também:  Leatherface: A Verdadeira História do Massacre da Serra Elétrica

Logo depois que ele começou a trabalhar, seu capataz, Bob Egle, adoeceu e morreu. Young estava fazendo chá cheio de venenos para seus colegas. Uma doença varreu seu local de trabalho e, confundida com um vírus, foi apelidada de Inseto Bovingdon. Esses casos de náusea e doença, às vezes graves o suficiente para exigir hospitalização, foram mais tarde atribuídos a Young e seu chá.

Young envenenou cerca de sete pessoas durante os meses seguintes, felizmente nenhuma fatalmente. O sucessor de Egle adoeceu logo depois de começar a trabalhar lá, mas decidiu desistir. Alguns meses após a morte de Egle, outro colega de trabalho de Young, Fred Biggs, adoeceu e foi internado no Hospital Nacional de Doenças Nervosas de Londres (agora parte do Hospital Nacional de Neurologia e Neurocirurgia). Era tarde demais e depois de sofrer agonia por várias semanas, ele se tornou a quarta e última vítima de Young.

Graham Young A Mente Fantástica do Envenenador da Xícara de Chá mundo sombrio
Graham Young o Envenenador da Xícara de chá.

Neste ponto, era evidente que uma investigação era necessária. Young perguntou ao médico da empresa se os investigadores consideraram envenenamento por tálio. Ele também disse a um colega que seu hobby era o estudo de produtos químicos tóxicos. O colega de Young foi à polícia, que descobriu a ficha criminal de Young.

Young foi preso em Sheerness, Kent, em 21 de novembro de 1971. A polícia encontrou tálio e antimônio no seu bolso, tálio e aconitina em sua casa. Eles também descobriram um diário detalhado que Young vinha mantendo, observando as doses que ele havia administrado, seus efeitos, e se ele ia permitir que cada pessoa vivesse ou morresse.

Em seu julgamento na Corte da Coroa de St. Albans, que começou em 19 de junho de 1972 e durou dez dias, Young se declarou inocente, e alegou que o diário era uma fantasia para um romance. Young foi condenado e sentenciado à prisão perpétua. Ele foi apelidado de “O Envenenador da Xícara de Chá”.

Enquanto estava na prisão, ele fez amizade com o assassino de três serial killers, Ian Brady, com quem compartilhava um fascínio pela Alemanha nazista. Em seu livro, The Gates of Janus (2001) publicado pela Feral House, Brady escreveu que “era difícil não ter empatia por Graham Young”. O criminoso reformado Roy Shaw, em sua autobiografia Pretty Boy (2003), conta sua amizade com Young.

Young morreu em sua cela na prisão de Parkhurst na noite de 1 de agosto de 1990, um mês antes de seu 43º aniversário. A causa da morte foi listada como infarto do miocárdio em um inquérito, após uma autópsia.

COMPARTILHE ESSE POST

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

PARA VOCÊ

Comente Aqui

Posts Recentes

Scroll Up