O Mistério das Esferas de Klerksdorp de 2,8 Bilhões de Anos

O Mistério das Esferas de Klerksdorp de 2,8 Bilhões de Anos

As esferas de Klerksdorp são pequenos objetos, muitos deles esféricos, que foram coletados por mineiros e datam de, aproximadamente 3 bilhões de anos de idade. Foram extraídos pela Wonderstone Ltd., perto de Ottosdal, África do Sul.

Esses objetos foram citados por pesquisadores alternativos e repórteres em livros, artigos populares e muitas páginas da web, como inexplicáveis artefatos que só poderiam ter sido fabricados por seres inteligentes.

Geólogos que estudaram esses objetos argumentam que os objetos não são fabricados, mas sim o resultado de processos naturais. Roelf Marx, curador do museu de Klerksdorp, África do Sul, onde algumas das esferas estão guardadas, disse:

“As esferas são um completo mistério. Elas parecem feitas pelo homem, mas na época, quando eles vieram parar aqui nesta rocha, nenhuma vida inteligente existia. Eu nunca vi nada parecido com isso antes.”

De acordo com um artigo de J. Jimison, as esferas são de dois tipos — “uma de metal azulado sólido com manchas brancas, e outra que é uma bola oca cheia de um centro branco esponjoso”.

O Mistério das Esferas de Klerksdorp de 2,8 Bilhões de Anos mundo sombrio
Esferas Klerksdorp

Em uma carta datada de 12 de setembro de 1984, Roelf Marx disse:

“Não há nada científico publicado sobre as esferas, mas os fatos são: elas são encontradas em pirofilitas, que são extraídas perto da pequena cidade de Ottosdal na Transvaal Ocidental.”

“A pirofilita é um mineral secundário bastante macio com uma contagem de apenas 3 na escala de Mohs e foi formada por sedimentação cerca de 2,8 bilhões de anos atrás. Por outro lado, as esferas, que têm uma estrutura fibrosa no interior com uma concha ao seu redor, são muito duras e não podem ser arranhadas, mesmo por aço.”

A escala mohs de dureza é nomeada em homenagem a Friedrich Mohs, que escolheu dez minerais como pontos de referência para dureza comparativa, com talco o mais macio (1) e diamante o mais duro (10).

Leia Também:  A Possessão Documentada De Maurice Theriault

A. Bisschoff, professor de geologia da Universidade de Potchefstroom, disse que as esferas eram “concreções de limonita”. Limonita é uma espécie de minério de ferro. Uma concreção é uma massa de rocha compacta e arredondada formada por cimentação localizada em torno de um núcleo. Um problema com a hipótese de que os objetos são concreções de limonita diz respeito à sua dureza.

Como observado acima, as esferas metálicas não podem ser arranhadas com um ponto de aço, indicando que são extremamente duras. Mas as referências padrão sobre minerais afirmam que o limonita registra apenas 4 a 5,5 na escala de Mohs, indicando um grau relativamente baixo de dureza.

Além disso, as concreções de limonita geralmente ocorrem em grupos, como massas de bolhas de sabão presas juntas. Elas não são, normalmente, isoladas e perfeitamente redondas, como é o caso dos objetos em questão.

mysteriousoriginsofman 02
Esferas Klerksdorp

Todos os espécimes desses objetos, que foram descobertos por Heinrich, exibiam uma estrutura radial extremamente bem definida terminando no centro ou nos centros de uma esfera de Klerksdorp.

Através de análises petrográficas e de difração de raios-X de espécimes desses objetos, Heinrich descobriu que eles consistem em hematita (Fe2O3) ou wollastonita (CaSiO3) misturados com pequenas quantidades de hematita e goetita (FeOOH).

Observações de Cairncross e Nel e outros indicaram que muitas das esferas de Klerksdorp encontradas em pirófilos sem fenda consistem em pirita (FeS2). A cor dos espécimes estudados por Heinrich variava de marrom escuro avermelhado, vermelho, a vermelho escuro. A cor desses objetos compostos de pirita não é conhecida.

Para efeitos deste estudo, é a esfera com três sulcos paralelos em torno de seu equador que mais nos preocupa. Mesmo que a esfera em si seja uma concreção de limonita, ainda é preciso explicar as três ranhuras paralelas.

Leia Também:  As Assombrações da Casa Monroe, mais conhecida como a Casa dos Demônios

Na ausência de uma explicação natural satisfatória, as evidências são um tanto misteriosas, deixando em aberto a possibilidade de que a esfera sul-africana ranhurada — encontrada em um depósito mineral de 2,8 bilhões de anos — tenha sido feita por seres inteligentes.

COMPARTILHE ESSE POST

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Posts Recentes

Parceiros