Interligados

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr

Crescendo em um lar pagão, fantasmas e coisas do gênero nunca foram novidade para mim. Eu os vi minha vida inteira. Tudo começou quando eu tinha seis anos. Minha mãe tinha uma imagem de Deus e Jesus, onde eu via rostos demoníacos o tempo todo. Finalmente, contei à minha mãe e ela resolveu tirar a pintura da parede.

Quando eu tinha sete anos, nos mudamos duas vezes e as coisas ficaram ótimas por um tempo, mas depois, coisas estranhas começaram a acontecer. 

Quando eu estava com 14 anos, minha amiga jurou de cima a baixo que viu uma figura escura atrás de mim no meu corredor com uma faca levantada em direção às minhas costas. Isso me assustou tanto que eu passei a andar de costas para a parede. 

Quem ia lá em casa, via olhos vermelhos e brilhantes espreitando pela porta do meu quarto e as portas começavam a bater. Depois de um tempo, a maioria dos meus amigos passou a não ir mais me visitar. Parei de dormir no meu quarto, porque quando eu estava lá, não conseguia dormir, pois coisas estranhas aconteciam, então eu passei a dormir no sofá da sala.

Vamos avançar alguns anos. Eu tinha 18 anos e morava no Tennessee com meu então noivo, Sam, e sua mãe, Gail. Isso foi em 1997. Certa noite, ela pegou sua tábua espiritual – não é um tabuleiro Ouija, mas algum outro tipo de tábua espiritual. Imediatamente as coisas começaram a acontecer. Entrei em transe e comecei a falar sobre a irmã morta da minha futura sogra, com quem nunca conheci ou sequer vi uma foto.

Gail foi para a cama totalmente assustada e Sam me perguntou se eu queria continuar; Eu concordei. Tentamos por cerca de 20 minutos, mas nenhum outro espírito apareceu, então Sam disse:

— Eu tenho uma ideia.

Saiu da sala e voltou com um tabuleiro Ouija genuíno. 

— Isso vai funcionar – disse ele.

Antes de começar, ele fez um ritual de proteção, mas estragou tudo, então ele teve que me inserir no ritual e nós começamos a tentar nos comunicar.

Imediatamente, duas meninas apareceram; uma tinha 15 e o outra 19. Eles disseram que eram meninas escravas que foram assassinadas. Eu queria provas, então fiz perguntas que apenas os mortos sabiam e elas sabiam as respostas certas, então fiquei satisfeita. Do nada elas simplesmente pararam de falar. Tentamos manter a comunicação, mas nada de responderem.

Então outra presença veio dizendo que seu nome era David. Conversamos com ele por algum tempo, mas comecei a perceber algumas mentiras. Quando Sam saiu da sala por um minuto para usar o banheiro, eu confrontei “David”. Eu disse:

— Seu nome não é David e você está mentindo!

 Ele respondeu:

— Você me pegou. 

— Quem é você realmente?

— ABBADON

Eu, sem saber quem era, continuei a falar com ele. Sam voltou e eu contei o que a entidade tinha dito. 

— Isso não é engraçado, Jenn. Pare com isso! – ele me falou assustado.

Eu disse a ele que estava falando sério, e através da tábua a entidade respondeu

“ELA ESTÁ CERTA”. 

Os olhos de Sam se arregalaram e ele parecia aterrorizado. 

— Estamos terminando isso agora! – disse Sam desesperado. 

“NÃO”. O ponteiro voou sozinho por cima do tabuleiro.

Antes que Abbadon pudesse fazer qualquer outra coisa, Sam terminou a comunicação, empurrando o ponteiro para GOODBYE. Perguntei o que estava errado, mas ele não me contou.

Mais tarde naquela mesma noite, estávamos na cama; Sam estava lendo e eu estava dormindo. Acordei com o som de rosnados. Olhei para o canto do quarto, e ali pela porta fechada, dava pra ver uma figura de túnica preta. Tentei gritar, mover qualquer músculo, mas não consegui. Por alguma razão, ele escolheu o visual da Morte, com foice e tudo. Aquilo se moveu lentamente em minha direção até estar sentado no meu estômago e me prendendo. Não conseguia me mexer, conversar ou qualquer coisa; Eu estava completamente apavorada. Ele estava sentado, respirando em mim, e meu primeiro pensamento foi: Os mortos não respiram.

A entidade ficou distorcida e se transformou na coisa mais linda que eu já vi. Ele parecia completamente humano, exceto por aqueles olhos vermelhos e fendidos como cabras. Ele sorriu para mim, inclinou-se para mim e disse:

— Você é minha!

A essa altura, eu estava com tanto medo que estava chorando e lutando para me mover, para dizer qualquer coisa ou para chamar a atenção de Sam. Foi quando a entidade me disse seu nome. Agora, esse nome não posso revelar. É um nome íntimo e eu tive que prometer nunca dizer para fazê-lo ir embora.

Finalmente pude me mover. Me joguei em cima do Sam e contei o que havia acontecido. Ele me confortou e me disse que tudo ficaria bem. E, por um tempo foi.

Certa noite, a mãe de Sam o mandou para a outra casa para levar as coisas porque estávamos nos mudando; ela odiava o lugar onde estávamos. Com Sam fora, eu me recusei a dormir no quarto, então me acomodei no sofá da sala.

Por volta das 3h da manhã, tive o desejo incontrolável de olhar para a porta … e isso foi um erro. Lá estava ele novamente, olhando para mim. Eu disse em voz alta:

— Você não é bem-vindo! Saia agora!

Ele riu e transformou seu rosto esquelético no rosto bonito com os olhos vermelhos de bode e disse-me novamente:

— Você é minha. Eu vou ter você e não importa o preço!

— Não! – Eu gritei. 

Ele riu e desapareceu.

Nós nos mudamos pouco tempo depois, e eu não o vi por um tempo. Então uma noite, do nada, lá estava ele. Ele estava com muita raiva, como um amante ciumento. Ele me disse:

— Você foi embora.

Respondi que sim e ele disse:

— Estive procurando por você !

Eu disse que ele era muito ruim. Ele ficou com mais raiva ainda, me prendeu na parede e me beijou, dizendo que eu era dele.

Sam entrou no corredor e me viu presa lá. Ele sabia que era Abbadon e loucamente passou a procura-lo, mas a entidade apenas riu e desapareceu.

Mais tempo se passou, nada de Abbadon, e as coisas pareciam correr muito bem. Certa noite, Sam foi empurrado escada abaixo e, quando fui ajudá-lo, Abbadon ficou furioso e com ciúmes, recusando-se a me deixar ajudar Sam. Por fim, gritei com ele, dizendo que nunca me teria. Ele olhou para mim e até hoje nunca esquecerei o olhar em seu rosto. Ele parecia com o coração partido e triste. Isso me chocou tanto que fiquei congelada lá. Ele gentilmente tocou meu rosto e depois desapareceu. Fui ajudar Sam e ele estava bem.

Pouco tempo depois, a mãe de Sam me expulsou de casa dizendo que eu não servia para o seu filho. Então eu arrumei minhas coisas, liguei para meus pais e providenciei para que eles viessem me pegar. 

Alguns meses depois estava em casa e quem aparece? Abbadon. A essa altura já estou acostumada com ele. Simplesmente digo:

— Abbadon, você não é bem-vindo aqui. Saia da minha casa. 

Ele ri, se curva para mim e diz:

— Por enquanto eu vou embora, meu amor. 

E desaparece.

Uma noite ele voltou enquanto eu estava dormindo. Ele marcou meu dedo anelar, me acordou e levantou minha mão para me mostrar e disse que agora eu era oficialmente dele. Eu ainda tenho a marca, e até hoje ele me segue.

Eu vou fazer 32 anos em alguns meses. Eu sou muito feliz casada. Eu tenho que proteger minha casa e qualquer pessoa ao meu redor contra ele, pois ele ainda está por perto, ainda me querendo. 

Esta é a minha verdadeira história. Isso é pra vocês aprenderem o por que vocês nunca devem brincar com os tabuleiros Ouija… vocês podem ficar permanentemente ligados a um demônio.

Leia Mais Histórias de Terror Assustadoras
Mundo Sombrio
Histórias de Terror, Lendas Urbanas, Creepypastas, Relatos Sobrenaturais, Vídeos e muito mais. Mundo Sombrio: O Melhor do Terror para Você!
hisaruki história de terror
Hisaruki

Essa é uma história de terror sobre Hisaruki, uma lenda urbana japonesa assustadora sobre algo misterioso que apenas crianças pequenas parecem conhecer.

entre as paredes história de terror mundo sombrio
Entre as Paredes

Saímos de nossa última casa há uma semana e estou feliz por termos mudado. Definitivamente não