A História assombrada de Julia Buccola Petta, a “Noiva Italiana”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
A História assombrada de Julia Buccola Petta, a Noiva Italiana mundo sombrio

Em Hillside, Illinois, nos arredores de Chicago, fica o cemitério Mount Carmel. Além de ser o local de descanso final de Al Capone, Dion O’Banion e outros notórios mafiosos de Chicago, o cemitério também é o local de sepultamento de uma mulher chamada Julia Buccola Petta. Embora seu nome possa não vir à mente como parte da história de Chicago, para aqueles intrigados com o sobrenatural, ela é mais conhecida como a “Noiva Italiana”.

O túmulo de Julia Buccola Petta é marcado hoje por uma estátua em tamanho natural da falecida em seu vestido de noiva, uma reprodução em pedra da foto do casamento que está montada na frente de seu monumento. Embora seja um belo monumento, não há nada nele que sugira que algo estranho tenha ocorrido em relação a ele. No entanto, uma vez que você conhece a história por trás do local, você percebe que realmente algo não está certo.

Julia Buccola Petta

Julia nasceu em 6 de junho de 1891, na Itália. Seu pai, George, faleceu em 1913 e sua mãe, Filomena, emigrou para os Estados Unidos com sua filha. Eles viajaram para o lado oeste de Chicago, onde três outras crianças Buccola – Henry, Joseph e Rosalia – já estavam assentadas. Em junho de 1920, Julia se casou com Matthew Petta na Igreja do Santo Rosário na Avenida North Damen. 

Julia ficou grávida logo após o casamento, mas ocorreram complicações e, em 17 de março de 1921, Julia morreu durante o parto de seu filho, Filippo. Por causa da tradição italiana de que morrer no parto tornava a mulher uma espécie de mártir, Júlia foi enterrada de branco, a cor dos mártires. Seu vestido de noiva também serviu como seu vestido de enterro e com seu bebê morto em seus braços, os dois foram colocados para descansar em um único caixão no cemitério de Mount Carmel.

Cemiterio mount carmel • mundo sombrio
Cemitério Mount Carmel

Filomena Buccola ficou inconsolável com a morte da filha. Pouco depois de Julia ser enterrada, Filomena começou a ter sonhos estranhos e assustadores todas as noites. Nesses pesadelos, ela imaginava a filha dizendo que ela ainda estava viva e precisava de sua ajuda.

Nos seis anos seguintes, os sonhos atormentaram Filomena e ela começou a tentar, sem sucesso, fazer com que o túmulo da filha fosse aberto e seu corpo exumado. Ela não conseguia explicar por que precisava fazer isso; ela só sabia que deveria. Finalmente, por pura persistência, seu pedido foi atendido e um juiz solidário emitiu uma ordem de exumação do corpo de Julia.

Em 1927, seis anos após a morte de Julia, o caixão foi retirado da sepultura. Quando foi aberto, descobriu-se que o corpo de Julia não estava em decomposição. Na verdade, dizia-se que sua carne ainda estava tão macia quanto quando ela estava viva.

Uma fotografia foi tirada no momento da exumação e mostra o corpo “incorruptível” de Julia no caixão. Filomena decidiu arrecadar dinheiro para uma lápide mais elaborada. A obra concluída seria um tributo grandioso à filha morta – uma escultura em tamanho natural de Julia no dia do casamento.

Sua mãe e outros admiradores afixaram a foto post mortem de Julia na frente de seu túmulo. Abaixo da imagem está a frase italiana “Presa Dopo 6 Anni Morta”, que se traduz aproximadamente como “tirada 6 anos após a morte”. Uma foto de Julia em seu vestido de noiva, provavelmente a inspiração para a estátua, que também está presa à pedra.

A foto post mortem mostra um corpo que parece fresco, sem descoloração da pele, mesmo depois de seis anos. A aparência apodrecida do caixão na foto, no entanto, atesta o fato de que ele esteve no subsolo por bastante tempo. Julia parece estar apenas dormindo. A família dela interpretou o fato de ela ter sido encontrada tão bem preservada como um sinal de Deus e, depois de arrecadar dinheiro de outros familiares e vizinhos, criaram o impressionante monumento que hoje está sobre seu túmulo.

Fotografia post mortem de julia buccola petta que fica afixada em seu túmulo no cemitério mount carmel em illinois
A fotografia post mortem que foi tirada de Julia Buccola Petta depois que seu túmulo foi aberto – seis anos após sua morte. 
Seu corpo havia sido completamente preservado e aqueles que tocaram sua pele disseram que era macia e flexível ao toque. 

Que segredo misterioso ronda o túmulo de Julia Buccola Petta? Como seu corpo poderia ter permanecido em perfeitas condições depois de ter ficado na sepultura por seis anos?

Muitos católicos devotos da vizinhança acreditavam que a “incorruptibilidade” de Julia significava que ela era uma santa. Os céticos zombaram da ideia, alegando que a foto post mortem deve ter sido tirada antes de ela ter sido enterrada – embora isso não explique a condição do caixão ou a decomposição do bebê aninhado em seus braços.

Outra explicação foi atribuída ao adipocere , também conhecido como “cera de cadáver” – “uma substância cerosa que consiste principalmente de ácidos graxos e sabões de cálcio que é formada durante a decomposição da gordura corporal morta em condições anaeróbicas úmidas”. Em outras palavras, a forma e o estado do corpo de Julia foram preservados por um processo natural.

É claro que essas explicações não foram suficientes para a crença local de que o corpo preservado de Julia era prova de um milagre. Mas será que foi realmente? Desde então, histórias foram contadas sobre a sua mãe, Filomena, questionando a realidade dos seus sonhos.

Houve quem afirmasse que ela inventou toda a história como retaliação por um casamento que não aprovava. Ela nunca gostou de Matthew Petta, dizem as histórias, e essa história ganha algum crédito pelo fato de que o nome de casada de Julia não aparece no túmulo – apenas seu sobrenome, Buccola.

Mas mesmo que Filomena mentisse sobre seus pesadelos para ganhar a simpatia da comunidade e ajudar a financiar a construção do elaborado monumento – como isso explica a fotografia post mortem? A foto de Julia em seu caixão – seis anos após sua morte – parece ser real. Ela desafiou qualquer explicação por quase um século.

E esse não é o fim desta história estranha. Relatos foram contados ao longo dos anos sobre uma fantasmagórica “mulher de branco” que foi vista vagando na beira do cemitério onde ela descansava. As histórias afirmam de que ela já fora vista durante o dia e à noite e, muitos que conhecem a história de Julia Buccola Petta, acreditam que este é o seu espírito inquieto.

Uma das histórias misteriosas que foram contadas, fala de um menino que foi acidentalmente deixado para trás no cemitério, não muito longe do túmulo de Julia. Quando voltaram ao Monte Carmelo para procurá-lo, o viram segurando a mão de uma jovem de cabelos escuros em um vestido branco. Quando o menino correu em direção aos pais, a mulher de branco desapareceu.

A história da “Noiva Italiana” vive até hoje. É a história de uma mulher que se tornou mais famosa na morte do que em vida – um ingrediente principal para muitos contos misteriosos.

Mundo Sombrio

Mundo Sombrio

Histórias de Terror, Lendas Urbanas, Creepypastas, Relatos Sobrenaturais, Vídeos e muito mais. Mundo Sombrio: O Melhor do Terror para Você!