Robert Johnson: A Lenda do Blues e o Diabo da Encruzilhada

Robert-Johnson-mundo-sombrio

Robert Leroy Johnson ou apenas Robert Johnson, nasceu em uma família de lavradores em Hazlehurst, no Mississipi. Na época, existiam intensos conflitos raciais na região, mas isso não impediu o surgimento de um dos mais belos ritmos de música existentes hoje, o Blues.

Segundo alguns documentos, o ano de nascimento de Robert Johnson seria entre os anos de 1909 a 1912, mas o mais aceito hoje, é o ano de 1911.

Com apenas 16 anos e achando sua vida muito solitária, resolveu largar tudo e todos para fazer sucesso tocando gaita e violão, mesmo porque, desde criança, Roberth era aficcionado por música. Feito isso, ele não parou mais de viajar, tocando em todos os lugares em que conseguia, principalmente nas ruas.

Com vinte anos, Johnson descobriu como fazer sua guitarra chorar usando o gargalo de uma garrafa quebrada, deslizando-a pelas cordas.

Sua carreira profissional durou apenas dois anos (1936 a 1938) apenas tocando em casas de prostituição e bares de baixa popularidade. Gravou apenas 29 músicas e não conseguiu nenhum reconhecimento comercial em vida. Porém, ganhou de seus companheiros músicos o título de “The King of the Delta Blues Singers”, ou seja o “Rei dos Cantores do Delta Blues”.

Johnson é uma figura importantíssima para o blues pela padronização do formato de 12 compassos. Suas músicas foram regravadas por diversos artistas como Red Hot Chilly Peppers, Eric Clapton e muitos outros, além de influenciar grandes nomes do blues, como Muddy Waters, Elmore James e BB King. Mas as histórias ligadas a Robert Johnson são tão misteriosas e surpreendentes quanto sua influência nos músicos atuais. 

Com sua vida envolta em muito mistério, sua morte prematura aos 27 anos e o conteúdo das canções que escreveu, o mito do suposto “acordo” de Johnson só o fez mais famoso.

robert johnson foto
Robert Johnson

Sua morte trouxe questões intrigantes sobre como ele teria conseguido escrever uma das mais influentes músicas de blues da história da música e se tornou um ícone por décadas depois.

Com a falta de fatos sobre sua vida, sua história foi em grande parte unida por indivíduos fascinados coletando histórias de boatos nas cidades em que ele esteve e através das interpretações subjetivas de suas letras. Por exemplo a letra “Eu fui para o cruzamento, caí de joelhos, fui para o cruzamento, caí de joelhos, perguntei ao Senhor acima “Tenha piedade agora, salve o pobre Bob, se quiser””  – com o tempo, tornou-se uma representação simbólica de um homem pecador pedindo perdão por vender sua alma ao diabo.

No vídeo acima você pode ouvir a canção composta e interpretada por Robert Johnson. A versão do vídeo é o segundo take, gravado no dia 27 de novembro de 1936, em San Antonio, no Texas. Nos créditos do vídeo, a data aparece, de forma errada, como dia 26.

Certamente faz sentido, não é? Como ele poderia possuir tal talento? Como um rapaz tão jovem poderia atrair uma multidão tão vasta de todos os lados, em todas as esquinas de sua cidade natal, Hazlehurst, no Mississippi, até Chicago e todo o caminho até a fronteira do Canadá? Apenas movendo os dedos e abrindo ligeiramente os lábios? Como? Não deveria ser trabalho duro e dedicação! Deve ser outra coisa! Deve ser o trabalho do diabo. Estes devem ter sido os primeiros pensamentos que vieram à mente de muitos quando eles testemunharam o tímido e muitas vezes retraído menino tocando do nada daquela forma esplendorosa.

Assim, uma lenda nasceu.

A Lenda de Robert Johnson e o Diabo da Encruzilhada

A lenda sobre um menino com uma gaita e um violão como seus únicos amigos mas que ele era incapaz de tocar. Um menino tão cansado da vida solitária, que levou seu violão para o cruzamento da rodovia 49 (“The Blues Highway”) e 61 em Clarksdale, Mississippi, para pedir ao Diabo que o afinasse e lhe desse uma saída para sua miséria.

The Blues Highway
The Blues Highway, a encruzilhada onde Robert teria vendido sua alma ao Diabo

Convenientemente, o Diabo pegou o violão do jovem Johnson, transformou suas mágoas na voz única que agora é muito admirada, e queimou suas lágrimas em todas as cordas, permitindo-lhe transcender seu próprio blues vivo em canções de arrepiar com profundidade emocional e sabedoria poética sem precedentes. “Você quer saber o quão bom o blues pode ficar? Bem, é isso. ”- uma pergunta feita e respondida pelo próprio Keith Richards.

O filme “A Encruzilhada” (Crossroads, EUA, 1986), com Ralph Machio e Steve Vai é uma clara alusão a história de Robert Johnson, especialmente sobre seu encontro com o diabo para se tornar um grande músico. Veja um trecho do filme abaixo:

Como conseqüência deste suposto encontro, Johnson instantaneamente ganhou fama tocando todos os tipos de estilos em todos os tipos de lugares. Dizem que, para cada cidade onde ele se apresentava, havia pelo menos uma amante aquecendo a cama para ele passar a noite. Ele viajou muito e as pessoas simplesmente não conseguiam o suficiente dele.

robert johnson

As gravações de Johnson foram lançadas por várias gravadoras: “Milkcow”s Calf Blues” de Perfect, “Love in Vain Blues” de Vocalion e “I Believe Iever Dust My Broom” de Conqueror.

Pouco tempo depois e ele estava nos estúdios da ARC Records, onde ele conseguiu gravar 29 músicas, entre as quais “Cross Road Blues” (Crossroad), “Last Fair Deal Gone Down “, “If I Had Possession Over Judgement Day”, “Me and the Devil Blues”, “Hellhound on My Trail” e, é claro, “Sweet Home Chicago”.

Embora ele tenha conseguido passar do ritmo jazz para o country rapidamente e com relativa facilidade, foram as canções em que sua guitarra chorou gentilmente, aquelas que ele gravou entre 1936 e 1937, que lhe trouxeram o estrelato e o moldaram como músico de relevância universal, que ele é reconhecido como é hoje. As músicas trouxeram muito peso à sua lenda ao longo dos anos.

No entanto, não há como escapar do truque do Diabo, pois ele sempre vence no final.

A Morte de Robert Johnson

Johnson morreu no ano seguinte em Greenwood, Mississippi, supostamente envenenado por um marido ciumento de uma de suas amantes. Em uma cruel ironia, a fama que ele tanto buscou, no final, foi o que o matou.

De qualquer forma, se ele alguma vez fez um acordo com o Diabo, que dado o senso comum é altamente improvável, o truque, afinal, estava do seu lado no final. Pois seu nome não estava manchado e sua alma permanecia intacta, ajudada por suas cordas e voz e composições brilhantes, as mesmas coisas que ele supostamente trocava. Se alguém questionasse seus talentos, deveria apenas sentar e tentar tocar uma música de Robert Johnson.

Veja abaixo todas as composições de Robert Johnson

  • 32-20 Blues
  • Come on in My Kitchen
  • Crossroads Blues
  • Dead Shrimp Blues
  • Drunken Hearted Man
  • From Four Till Late
  • Hellhound on My Trail
  • Honeymoon Blues
  • I”m a Steady Rollin” Man
  • I Believe I”ll Dust My Broom
  • If I Had Possession Over Judgment Day – Tradução
  • Kind Hearted Woman Blues
  • Last Fair Deal Gone Down
  • Little Queen of Spades
  • Love in Vain
  • Malted Milk
  • Me and the Devil Blues – Tradução
  • Milk Cow”s Calf Blues
  • Phonograph Blues
  • Preachin” Blues (Up Jumped The Devil)
  • Rambling on My Mind
  • Stones in My Passway
  • Stop Breakin” Down Blues
  • Sweet Home Chicago
  • Terraplane Blues
  • They”re Red Hot
  • Traveling Riverside Blues
  • Walkin” Blues
  • When You Got a Good Friend

Documentário da Netflix

No mês de maio de 2019, a Netflix colocou em seu catálogo o documentário chamado “ReMastered: Devil at the Crossroads” ou “ReMastered: O Diabo na Encruzilhada”.

Esse documentário conta a História de Robert Johnson e de como a sua Lenda foi construída e de como ela é contada até os dias atuais. Veja o Trailer abaixo:

COMPARTILHE ESSE POST

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr

DEIXE UM COMENTÁRIO

Posts Recentes

error: Alert: Esse conteúdo está protegido!